O ministro da Economia da Alemanha, Michael Glos, ofereceu sua demissão em uma carta ao chefe de seu partido, o CSU, declarou à AFP um porta-voz do ministério.

Ele argumentou com sua idade (65 anos) e falou na necessidade de renovação dentro do CSU, informou o jornal, citando a carta.

"Como farei 65 anos este ano, isto corresponde a meu projeto de vida, não pertencer mais ao Conselho dos ministros após 28 de setembro", ou seja, um dia depois das eleições legislativas na Alemanha, escreveu ao Horst Seehofer, o presidente do CSU, partido-irmão bávaro da CDU de Merkel.

As eleições regionais de fim de setembro de 2008 na Baviera, que viram o CSU perder a maioria absoluta que detinha desde 1962, mostram que "a renovação, a criatividade e a credibilidade são mais requeridas que antes pelos eleitores", destacou.

Glos telefonou neste sábado á tarde à chanceler para informar-lhe de suas intenções, segundo o jornal.

Em um contexto de crise e de economia fragilizada, as tensões aumentaram nos últimos meses no governo de coalizão entre o ministério da Economia, dirigido por um conservador partidário das baixas de impostos para sustentar a economia, e o ministério das Finanças, pilotado pelo social democrata Peer Steinbrück.

Leia mais sobre: crise financeira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.