A Microsoft contestou a versão apresentada pelo Yahoo! a respeito das negociações da semana passada sobre uma possível divisão da companhia de internet, envolvendo o investidor Carl Icahn. Num comunicado com o título Microsoft apresenta o relato correto, a gigante do software desmentiu que, juntamente com Icahn, tenha dado apenas 24 horas para o Yahoo! aceitar a oferta.

A proposta não foi um "ultimato", mas uma tentativa de ver se a oferta da Microsoft era suficiente para "formar a base para que as partes entrassem em negociações ao longo do fim de semana acerca de uma carta de intenções e de acordos de investimento mais detalhados", segundo o documento citado pelo The Wall Street Journal.

Na sexta-feira à noite, a Microsoft e Icahn fizeram uma proposta conjunta pela qual a Microsoft compraria o negócio de busca do Yahoo! e deixaria Icahn e os diretores que ele escolhesse para o conselho controlarem o restante da companhia. Segundo fontes próximas, o acordo era condicionado à remoção do presidente-executivo, Jerry Yang, e seu conselho. No sábado, o presidente do conselho do Yahoo!, Roy Bostock, rejeitou a oferta. A Microsoft disse hoje que sua proposta "não incluiu mudanças na governança do Yahoo!".

Em janeiro, a Microsoft fez uma oferta não solicitada de compra do Yahoo!, rejeitada pelo conselho da empresa de internet. Icahn, que defende a venda da empresa, passou a acumular ações do Yahoo! e tentou intermediar um acordo com a Microsoft enquanto ameaçava iniciar uma batalha pela destituição do conselho. A Microsoft, porém, tem se concentrado desde então em comprar apenas a divisão de buscas na internet, que pode ser um ativo importante na concorrência com o Google.

Num comunicado enviado hoje à Securities and Exchange Comission (SEC, órgão regulador do mercado de ações dos EUA), Icahn reiterou a solicitação para que os acionistas do Yahoo! elejam os nove membros que ele indicou para o conselho, e que apoiaria a divisão da empresa. Segundo Icahn, o presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, deixou claro que a companhia "entraria em discussões imediatamente" sobre a compra da divisão de buscas com um conselho composto por membros indicados pelo investidor.

Grande parte do comunicado da Microsoft foi uma recapitulação das negociações que começaram na quinta-feira com uma conversa entre Icahn e Bostock. De acordo com a versão da Microsoft, Bostock chamou Ballmer na quinta-feira à tarde e marcou uma reunião subseqüente na qual incentivou o executivo da Microsoft "a apresentar uma nova proposta" para a compra da divisão de buscas.

Fontes próximas disseram que a oferta da Microsoft pela divisão foi de US$ 1 bilhão, mais um pagamento anual de US$ 2,3 bilhões por cinco ano. A Microsoft também compraria US$ 3,9 bilhões em ações e US$ 2,8 em dívidas do Yahoo!. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.