Cerca de 900 metalúrgicos de São Paulo entraram em greve hoje, como protesto às demissões nas empresas Delga e Engemet, após assembleia realizada em frente às fábricas nesta manhã, segundo informações do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi, Miguel Torres. A Delga fabrica cabine de ônibus, peças estampadas da linha branca e outros produtos.

A Engemet produz barras e rolos de aço para construção mecânica em geral, trefilados, retificados e peças usinadas.

De acordo com o sindicato, a Delga, na zona oeste da capital, havia anunciado a demissão de cerca de 120 funcionários. A empresa, que tem 700 funcionários, já concedeu licença remunerada, férias coletivas e alega não ter mais como manter o quadro de funcionários. Na Engemet, de acordo com Torres, os 170 funcionários pararam contra o anúncio do corte de 45% da folha de pagamento.

Suspensão temporária

Já na empresa Basso Componentes, os 48 trabalhadores da produção de autopeças instalada na zona oeste da capital começam a cumprir o acordo de suspensão do contrato de trabalho negociado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo com a empresa, e aprovado pelos trabalhadores, para garantia do emprego. O acordo vai vigorar por cinco meses e dá estabilidade no emprego por três meses após a volta ao trabalho. Neste período, os trabalhadores vão receber o seguro-desemprego e o complemento salarial pela empresa, além de cesta básica, convênio médico e odontológico. Segundo o diretor do sindicato David Martins, o tempo de afastamento vai contar normalmente para o recebimento das férias e do 13º salário.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.