Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mesmo os desempregados mantêm o consumo

Na lista de sonhos de consumo do casal Luciano Borges e Nilde dos Santos está um segundo imóvel, de preferência um apartamento. O carro já conseguiram comprar no ano passado e ontem tiraram da sala a televisão de tubo de 29 polegadas para dar lugar a uma LCD.

Agência Estado |

A ida para o supermercado rendeu também um aparelho microsystem com MP3 para o quarto. Riscaram a TV e o som da lista e já pensam em colocar outros, mesmo estando os dois desempregados desde o início do mês. Borges trabalhava num escritório de advocacia e foi demitido um dia depois de a mulher ter pedido as contas para cuidar do primeiro filho, Gregory, de 10 meses. "Mas estamos tranquilos. Com a rescisão e a reserva que temos, posso procurar emprego até o fim do ano", diz.

No auge da crise econômica, Borges viu uma dezena de colegas de trabalho serem demitidos com a justificativa de redução dos custos. Ele mesmo não chegou a ser afetado e, por isso, não precisou apertar as contas da casa. Os gastos, aliás, só aumentaram com a chegada de Gregory, no ano passado. O bebê já tem até sua própria poupança. "Depois do susto, ficou claro para a gente que a situação aqui foi muito diferente. Acho que essa confiança fez a diferença."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG