Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Merkel propõe programa internacional de investimentos para nações emergentes

Berlim, 1º nov (EFE).- A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, propôs que o Banco Mundial (BM) lance um programa internacional de investimentos, dirigido especialmente aos países emergentes, a fim de minimizar os efeitos da crise financeira.

EFE |

"Temos que impulsionar os investimentos em escala internacional.

Por isso, imagino que o Banco Mundial deveria lançar, especialmente para os países emergentes, um programa de investimentos que permitiria manter programas de infra-estrutura em tempos de fragilidade econômica", destacou Merkel em seu vídeo semanal.

De acordo com a chanceler, um programa dessas características seria de grande proveito para a manutenção de empregos na Alemanha, "pois muitos setores industriais dependem fundamentalmente da exportação".

"Só podemos combater as crises internacionais por meio de uma atuação internacional decidida", ressaltou a chefe de Governo.

Quanto à situação na Alemanha, Merkel afirmou que o programa de investimentos que seu Governo pretende terminar até quarta-feira será um pacote que vai permitir "o salvamento de vários postos de trabalho" e a "boa evolução" das empresas.

Na mensagem, Merkel também lembrou que os bancos privados poderão recorrer ao pacote de resgate do Governo alemão, dotado de 400 bilhões de euros em avais públicos e de mais 80 bilhões de euros em ajudas diretas.

Desde a aprovação do programa, há duas semanas, vários bancos públicos e apenas um privado, o Hypo Real Estate, recorreram a ele.

O Governo da Alemanha está preocupado, porque acha que a reticência dos bancos pode causar a suspensão brusca do crédito às pequenas e médias empresas, o que acarretaria uma crise financeira no resto da economia.

Segundo informações da revista alemã "Der Spiegel", o Governo de Berlim está preparando uma versão modificada de seu pacote de resgate para o caso de os bancos privados continuarem evitando o programa nos próximos dias. EFE ih/wr/sc

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG