Tucumán (Argentina), 1 jul (EFE).- Os membros do Mercosul e os países associados expressaram hoje, em comunicado conjunto, sua solidariedade com o Governo boliviano e apoiaram o referendo revogatório convocado pelo presidente da Bolívia, Evo Morales.

O bloco, integrado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, com a Venezuela em processo de adesão, e do qual a Bolívia é membro associado, manifestou sua "solidariedade e respeito com o povo e o Governo" de Morales.

Expressou sua "convicção de que a atual situação política interna que atravessa este país-irmão será superada mediante um diálogo franco e amplo entre todos os atores da sociedade boliviana, em um clima de paz, serenidade e tolerância".

Esse clima permitirá a "preservação e a integridade territorial da Bolívia, o respeito às autoridades democraticamente escolhidas, o resguardo do estado de direito e a harmonização de interesses setoriais divergentes e a consolidação definitiva da democracia boliviana", disse o comunicado.

Os membros do Mercosul e nações associadas também expressaram seu "respaldo aos esforços realizados" pelo grupo de países amigos (Brasil, Argentina e Colômbia) para "facilitar o diálogo e a superação das atuais diferenças internas mediante a via pacífica e de negociação".

Indicaram também sua "satisfação pela próxima realização de um referendo revogatório" do mandato presidencial, processo convocado pelo próprio Morales e que, segundo o Mercosul, "fortalecerá os mecanismos democráticos de resolução de conflitos".

O comunicado contém, por outro lado, uma expressão de "beneplácito pelo recente processo eleitoral no Paraguai", de onde o ex-bispo Fernando Lugo saiu vencedor.

Os países do bloco e as nações associadas (Bolívia, Chile, Peru, Colômbia e Equador) também reafirmaram seu compromisso com a democracia, o desenvolvimento dos povos e a luta contra o terrorismo, entre outros pontos. EFE nk/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.