Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados:Commodities puxaram alta na Bovespa e queda no dólar na sexta

SÃO PAULO - A semana acabou de forma positiva para os mercados brasileiros, que seguiram a correção técnica no preço das commodities e do dólar. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) marcou o terceiro pregão consecutivo de alta.

Valor Online |

O dólar caiu para baixo de R$ 1,80 e os juros futuros encerraram estáveis.

A valorização das commodities depois de mais de uma semana de baixa, com conseqüente queda no valor do dólar em âmbito mundial, manteve os mercados brasileiros descolados da instabilidade externa, onde a incerteza quanto ao futuro do Lehman Brothers continuou assustando os investidores.

O ponto positivo, que era a possibilidade de venda do banco com ajuda do governo, começou a desvanecer conforme foi detectada resistência do Tesouro norte-americano em dar respaldo financeiro à aquisição. Ao final do dia, o Dow Jones recuperou grande parte das perdas do dia, mas ainda assim fechou com queda de 0,10%. Já a bolsa eletrônica Nasdaq garantiu fechamento em território positivo, avançando 0,14%.

Além das commodities em alta, os investidores receberam bem o relatório do Morgan Stanley, que reiterou a recomendação acima da média do mercado ("overweight") para o Brasil. Ao final do pregão, o Ibovespa apontava alta de 2,19%, aos 52.392 pontos, com giro financeiro em R$ 5,26 bilhões. Vale lembrar que na mínima intradia da semana o índice testou os 47.606 pontos.

Com o bom desempenho da sexta-feira, o Ibovespa fechou a semana com valorização de 0,87%. Mas as perdas no mês de setembro ainda estão em 5,9%. Em 2008, a bolsa brasileira ainda acumula desvalorização de 18%.

Depois de subir mais de 5,7% em quatro pregões, o dólar finalmente passou por uma correção ante o real. O movimento esteve alinhado com a formação de preço da moeda norte-americana no exterior, onde o dólar caiu forte ante o euro e a libra. A cena externa também estimulou o desmanche de posições compradas e levou os bancos a pressionar menos a formação da taxa.

O dólar teve a maior queda diária desde 30 de abril, data na qual o país obteve seu primeiro grau de investimento, da agência Standard & Poor´s. A moeda perdeu 2,03%, encerrando a R$ 1,779 na compra e R$ 1,781 na venda.

Mesmo assim, o dólar ainda fechou a semana com valorização de 3,54%. No acumulado do mês, a alta é de 8,93% e em 2008 o vantagem sobre o real está em 0,22%.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), a moeda fechou com desvalorização de 1,82%, também a R$ 1,781. O volume financeiro somou US$ 243,25 milhões.

No mercado de juros futuros, a acentuada baixa do dólar estimulou o recuo nos prêmios de risco durante a manhã, mas no decorrer da tarde os investidores desmancharam as posições e curva fechou estável.

Ao final do pregão na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado, apontava estabilidade a 14,64% ao ano, depois de bater 14,58% na mínima. O vencimento janeiro 2011 também fechou sem alteração, marcando 14,38%. Da mesma forma, Janeiro 2012 fechou em 14,14%, sem variação.

Entre os contratos curtos, o vencimento para outubro de 2008 avançou 0,01 ponto, para a 13,61%. Novembro de 2008 também aumentou 0,01 ponto, para 13,64%. Dezembro de 2008 subiu 0,01 ponto para 13,83%, e o DI para janeiro de 2009 acumulou 0,01 ponto, fechando a 14,03% ao ano.

"(Eduardo Campos | Valor Online)"

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG