Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Wall Street perde, diante de piora no mercado de trabalho

SÃO PAULO - Dados sobre o mercado de trabalho americano e resultados corporativos pressionaram os mercados e os principais índices de Wall Street fecharam em queda nesta quinta-feira. O índice Dow Jones fechou em queda de 0,57%, aos 10.320 pontos.

Valor Online |

O Nasdaq recuou 0,83%, aos 2.190 pontos. O S & P-500, por sua vez, perdeu 0,54%, aos 1.084. Os investidores seguem em clima de aversão ao risco, aprofundado pelos novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos, que somaram 484 mil na semana fechada no dia 7 de agosto, o que representa um aumento de 2 mil em relação à leitura de uma semana antes. O resultado ficou acima das expectativas do mercado, que projetava queda no número de pedidos iniciais do benefício. A evolução da recuperação econômica na Europa e no Japão também parece lenta. A produção industrial na zona do euro teve queda de 0,1% em junho, com ajuste sazonal, e permaneceu estável entre os países que integram a União Europeia (UE). Os agentes conheceram também as projeções do Ministério de Economia, Comércio e Indústria do Japão, que prevê que a produção industrial do país encolheu 1,1% no sexto mês de 2010 em relação a maio. Apesar da queda, o resultado é uma revisão para cima, dado que antes as projeções apontavam para recuo de 1,5%. No âmbito corporativo, os agentes ainda analisam os resultados da Cisco, divulgados ontem no pós-market. O lucro da empresa foi bem, somando US$ 1,9 bilhão no quarto trimestre fiscal que terminou 31 julho, alta 79% frente ao verificado um ano atrás. A receita, por outro lado, avançou 27% para US$ 10,8 bilhões, abaixo das previsões de analistas de US$ 10,9 bilhões. Além disso, o presidente da empresa, John Chambers, afirmou que há sinais de que a economia ainda está incerta. As ações da companhia recuaram quase 10% neste pregão. A montadora americana General Motors anunciou hoje ter registrado um lucro líquido de US$ 1,33 bilhão durante o segundo trimestre, sinalizando que a empresa está se recuperando. Além disso, a GM comunicou que o executivo-chefe da empresa, Ed Whitacre, deixará o cargo em primeiro de setembro. (Vanessa Dezem | Valor, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG