Tamanho do texto

Mau humor externo ainda pressiona, mas dia tem agenda fraca e balanços trimestrais que indicam recuperação

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) caía 0,14% às 16 horas, cotada em 65.698 pontos. O Ibovespa abriu em queda, virou e subiu em boa parte do pregão, mas não resistiu às pressões externas e passou a cair. A amplitude, no entanto, é limitada. Nos EUA, Nasdaq cai 0,90% e Dow Jones recua 0,57%.

Ainda há temores sobre a desaceleração econômica global, mas a agenda econômica do dia é mais fraca, e os investidores também estão de olho nos balanços das companhias brasileiras, que trazem melhoras de resultados.

Nesta quinta, o governo dos Estados Unidos informou que os pedidos de auxílio-desemprego feitos no país na semana passada cresceram em 2 mil, para o nível mais alto desde a semana encerrada no dia 20 de fevereiro deste ano. O resultado contrariou a previsão de queda de 14 mil pedidos e elevou os sinais de fragilidade do mercado de trabalho norte-americano. Na Europa, a produção industrial caiu 0,1% em junho ante maio, na contramão da previsão de alta de 0,5%. 

Em comentário de hoje, a Gradual Corretora diz que os investidores estão impacientes, no exterior, com o ritmo lento da recuperação dos países industrializados, em especial com os EUA. Os economistas lembram que o que está acontecendo lá fora é o mesmo que ocorre no Brasil, ou seja, uma acomodação nas margens de expansão, já que a base de comparação não está mais tão baixa.

"Mas nem tudo é má notícia", continua a Gradual. "A despeito do discurso fiscalista que se impõe hoje na agenda política do mundo, o déficit comercial norte-americano apresentado ontem é motivo de comemoração. As importações daquele país continuam avançando a despeito do seu mercado de trabalho deteriorado, mostrando que a absorção doméstica dos EUA podem fornecer certo alívio aos problemas externos de muitos países (Brasil no meio)."

No Brasil, o destaque é a safra de balanços. Brasil Ecodiesel registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,8 milhões no segundo trimestre deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 25,665 milhões em igual período do ano passado. Já a Cyrela Brazil Realty registrou lucro líquido de R$ 167,449 milhões no segundo trimestre deste ano, o que representa um aumento de 6,6% em relação a igual período do ano passado. O número, no entanto, ficou 9% abaixo das projeções dos analistas. 

A AmBev também divulgou seu balanço e registrou lucro líquido consolidado de R$ 1,51 bilhão entre abril e junho de 2010. O resultado ficou em linha com a média das estimativas dos analistas. No setor de energia, CPFL Energia registrou alta de 33% no lucro líquido no mesmo período, para R$ 384 milhões, em linha com a média das projeções do mercado. Já a Copel reportou queda de 53,2% no lucro líquido, para R$ 135,673 milhões no segundo trimestre deste ano. O resultado ficou 28,6% abaixo das projeções dos analistas. 

Ainda nesta quinta, outras 16 companhias devem divulgar ao mercado seu desempenho financeiro entre abril e junho, com destaque para os números de Guararapes (Riachuelo), BM&FBovespa, MMX, TAM e UOL, entre outras empresas.

O dólar comercial cai 0,07%, cotado em R$ 1,7750 para a venda.

(com agências)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.