Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Petróleo cai a US$ 74,71 com alta de estoques nos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve baixa, após um aumento inesperado nos estoques da commodity e seus derivados nos EUA

AE |

selo

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve baixa, após um aumento inesperado nos estoques da commodity e seus derivados nos EUA. As perdas foram contidas, em parte, graças ao recuo do dólar ante seus principais rivais. Os contratos de petróleo com entrega para novembro tiveram queda de US$ 0,26 (0,35%), a US$ 74,71 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent fechou em queda de US$ 0,47 (0,60%), a US$ 77,95 o barril.

O Departamento de Energia dos EUA (DOE, na sigla em inglês) divulgou hoje que os estoques de petróleo tiveram um aumento de 970 mil barris na semana encerrada em 17 de setembro. Analistas esperavam uma queda de 1,7 milhão de barris, devido ao fechamento do oleoduto 6A, da Enbridge Energy Partners, que têm capacidade de transportar 670 mil barris por dia do Canadá para a região do Meio Oeste dos EUA.

Os estoques de gasolina e destilados, categoria que inclui óleo para aquecimento e diesel combustível, também tiveram uma alta surpreendente. Os estoques de gasolina subiram 1,59 milhão de barris. Os de destilados tiveram um aumento de 347 mil barris.

"Os estoques estão muito altos e é difícil ficar entusiasmado com esse mercado", disse Phil Flynn, analista de petróleo da PFGBest. O relatório do DoE ajudou a confirmar os dados divulgados ontem pelo American Petroleum Institute (API), que também mostraram uma alta nos estoques.

Os altos estoques têm pesado sobre os futuros de petróleo. Este mês, os estoques de petróleo e derivados atingiram o maior nível em 27 anos. O excesso de oferta tornou difícil para o petróleo acompanhar os ganhos dos mercados de ações em setembro. Há vários meses a commodity tem acompanhado o desempenho das bolsas, procurando indícios sobre a demanda futura. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: ECONOMICOECONOMIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG