Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Petrobras pressiona, e Bovespa perde os 70 mil pontos

Às 13h31, o Ibovespa tinha baixa de 1,46%, puxada pelos papéis da estatal, que caíam mais de 3% na sessão

iG São Paulo |

selo

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de mais de 1% nesta quinta-feira. Assim como na véspera, a bolsa brasileira é pressionada pelas ações da Petrobras. Hoje, os papéis da estatal têm queda superior a 3% e respondem por um terço dos negócios do Ibovespa, o principal índice da bolsa.

Às 13h31 (horário de Brasília), o índice caía 1,46%, para 69.510 pontos.Ontem, a Bovespa fechou em queda de 1,04%, aos 70.541 pontos.

Para analistas, o movimento de queda tem razões pontuais. Apesar dos temores que arrastaram a Bovespa para abaixo do nível dos 71 mil pontos ontem - seja por causa da incidência de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 4% em fundos multimercados e de ações ou por causa do tombo das ações de Petrobras -, o economista da Senso Corretora, Antônio Carlos Amarante, não descarta a tendência de alta para o mercado.

"Realizações pontuais de lucros acontecerão, abrindo brechas para comprar mais ações e permitir um rali de curto prazo", avalia.

Para ele, a exceção é a Petrobras, que vem perdendo atratividade aos olhos dos investidores por questões de transparência, após o aumento da fatia do governo na estatal. "E isso estimula migração de posição para outros papéis, não só do mesmo setor", acrescenta.

Por volta de 13h30 desta quinta-feira, as ações preferenciais da companhia caíam 3,13%, para R$ 25,75. Já os papéis ordinários perdiam 4,28%, para R$ 27,93. Ambos respondiam por cerca de 33% dos negócios do Ibovespa no horário.

Há dois dias as ações da Petrobras estão em trajetória de baixa. Na terça, a queda refletiu o rebaixamento da recomendação da Itaú Corretora para os papéis da Petrobras. Na quarta-feira, o Barclays Capital reduziu sua indicação para as American Depositary Receipts (ADRs) da empresa.

"O mercado está aproveitando para realizar lucros, depois das recomendações do Itaú e do Barclays. Há também uma parte de arbitragem entre Petrobras e OGX, que ainda é beneficiada pela expectativa de venda de uma parte de sua participação", avaliou o analista da SLW Corretora Erick Scott Hood.

O anúncio de descoberta de de petróleo leve no campo de Tupi, na última quarta-feira, não foi suficiente para anumar os investidores. A Petrobras informou que o oitavo poço perfurado na área de Tupi reforça as projeções para um volume de reservas de 5 a 8 bilhões de barris recuperáveis e para a obtenção de um óleo mais leve que o normalmente produzido em outras regiões brasileiras.

EUA

Os mercados também mostram uma postura de cautela à espera da divulgação do relatório de emprego dos Estados Unidos, amanhã. Hoje, o Departamento do Trabalho do país informou que o número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 11 mil, para 445 mil, após ajustes sazonais, na semana até 2 de outubro. Economistas esperavam uma alta de 2 mil pedidos.

Guerra cambial

Em todo o mundo, os investidores também estarão atentos aos desdobramentos da guerra cambial travada por vários governos. Outro ponto de atenção é a nova rodada de estímulos econômicos que pode surgir sobretudo nos países desenvolvidos.

Nesta quinta-feira, o dólar opera em baixa em relação ao real e ronda os R$ 1,68.

(Com agências)

Leia tudo sobre: Bovespaaçõesdólar

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG