Preço de cada ação na capitalização será definido hoje; deste valor dependerá o tamanho da oferta, estimada em R$ 132 bilhões

Será definido nesta quinta-feira o preço que cada ação da Petrobras custará na oferta de capitalização da empresa. Deste valor depende o tamanho da captação. Considerando o preço das ações no fechamento de ontem, a capitalização da estatal pode totalizar R$ 132 bilhões, a maior do mundo. Deste total, cerca de R$ 111 bilhões serão ofertados no primeiro lote e aproximadamente 20% no lote adicional.

O mercado espera que o preço fique entre R$ 25 e R$ 26, o que vai variar dependendo das negociações de hoje. Como a definição do preço leva em conta a demanda dos investidores no período de reserva e o mercado à vista, uma queda dos papéis nesta quinta-feira poderia diminuir o tamanho da oferta.

Os investidores saberão entre hoje e amanhã de manhã se conseguiram comprar toda a quantia que reservaram nos últimos dias. Caso a demanda tenha sido grande, pode ser que não consigam comprar a totalidade do que pretendiam. Neste caso, haverá um rateio.

Essa hipótese é provável, na opinião de fontes do mercado. A entrada de dólares no País nos últimos dias indica que haverá uma participação expressiva de investidores estrangeiros. Aqueles que possuíam American Depositary Receipts (ADRs) da estatal teriam ficado de fora da oferta prioritária em função de custos de impostos para transformar os recibos em ações. No entanto, puderam e ainda podem participar da oferta aberta.

Além disso, o mercado comenta que houve grande apetite nas reservas também por investidores domésticos. O governo, que pretendia aportar R$ 74,8 bilhões na oferta prioritária – valor que será usado pela Petrobras para comprar os 5 milhões de barris de petróleo da União -, pode não ter conseguido todo o montante desejado. Assim, pode ser que participe também do lote adicional. A expectativa é de que sua participação na empresa fique em torno de 45%, diante dos atuais 39%.

Na manhã de sexta-feira, será comemorado o encerramento da oferta em uma cerimônia na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

As novas ações começam a ser negociadas amanhã na Bolsa de Nova York e na próxima segunda-feira na Bovespa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.