Tamanho do texto

Empresa quer aproveitar apetite do mercado de capitais por esse tipo de papel

A operadora de telecomunicações Net Serviços planeja captar US$ 150 milhões até o fim do ano por meio de uma emissão de bônus perpétuos, aqueles sem prazo de vencimento final. A ideia é aproveitar o apetite do mercado de capitais por essa modalidade de aplicação e refinanciar os bônus desse tipo carregados pela companhia, reduzindo, dessa forma, o custo da dívida.

"O que temos observado é que o mercado está com disposição de pagar taxas menores", afirmou João Elek, vice-presidente financeiro e de relações com investidores da empresa durante teleconferência sobre os resultados no segundo trimestre , quando a Net registrou lucro de R$ 56,5 milhões, uma queda de 69% em comparação com o mesmo período de 2009.

Segundo o executivo, o custo com os bônus perpétuos gira ao redor de 9,25% ao ano, mas empresas com ratings similares ao da Net têm conseguido captar com taxas entre 7% e 8%. Em junho, a empresa acumulava dívida de R$ 270,22 milhões com esses bônus. "Esse é um movimento prudente, que pode acontecer no segundo semestre", afirmou Elek ao comentar o plano de fazer essa emissão.

O impacto da desvalorização do real sobre o endividamento da companhia em moeda estrangeira - equivalente a 57% do passivo total - foi apontado hoje como um dos principais fatores para o declínio do resultado líquido da operadora no segundo trimestre. Em junho, a dívida líquida da Net alcançou R$ 1,2 bilhão, uma alta de 7% em um ano. O passivo, no entanto, ainda está 15% abaixo da geração de caixa da empresa em um ano.

Durante o evento com jornalistas, Elek preferiu destacar os resultados operacionais, colocando em segundo plano os números do campo financeiro que comprometeram os ganhos líquidos no trimestre. Nessa análise, o lucro da operadora antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) avançou 30% no segundo quadrante, alcançando R$ 375 milhões, com margem de 29%, três pontos acima da margem de um ano antes.

"Operacionalmente, a empresa está saudável", disse o responsável pelas finanças da Net. A companhia mantém a meta de preservar a margem Ebitda dentro da banda de 27% a 29% neste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.