Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Morte de Steve Jobs faz ações da Apple caírem

Papéis da empresa começam a quinta-feira em baixa no pregão norte-americano; na Ásia, concorrentes tiveram ganhos

iG São Paulo |

As ações da Apple começaram o dia seguinte à morte de Steve Jobs, co-fundador e ex-CEO da empresa, em queda. Na abertura dos pregões norte-americanos desta quinta-feira, os papéis tinham baixa de 0,36% e eram negociados a US$ 376,8.

Apesar de a queda ser pequena, o mercado espera que a morte de Jobs, que era considerado a "mente criativa" da Apple e, portanto, responsável pelas inovações da empresa, impacte as ações da empresa ao longo do dia de hoje. Perto de 9h15, as ações já indicavam que a abertura seria negativa ao perder 0,73% no pré-market da Nasdaq.

Ontem, após o anúncio da morte de Jobs, as ações da Apple chegaram a cair 2,2% no after-market da Nasdaq, perdendo US$ 8,25 por ação.

Antes do anúncio, as ações da Apple tinham fechado o mercado cotadas a US$ 378,25. As ações da Apple possuem peso de 15% no índice Nasdaq 100, que inclui as 100 maiores empresas listadas na bolsa norte-americana.

Mais cedo, as bolsas europeias também reagiam ao anúncio da morte do líder da Apple. As ações da empresa na Alemanha, por exemplo, chegaram a cair quase 3%, mas se recuperaram. Perto de 10h, as ações da empresa eram cotadas com alta de 1,54%.

Concorrentes em alta

As ações das fabricantes de celulares Samsung e LG foram destaque de alta na bolsa de Seul (Coreia do Sul) nesta quinta-feira, em meio a especulações de que as empresas poderão ganhar participação de mercado depois que a Apple informou a morte de Steve Jobs.

Os papéis da Samsung, segunda maior fabricante global de telefones celulares, ganhou 1,5% e foi para o nível mais alto desde 1º de agosto. Já as ações da LG Electronics subiram 6,3%.

As ações da chinesa Lenovo também tiveram forte alta, de 3,43%, na bolsa de Hong Kong. A alta das ações de tecnologia pode ter sido influenciada pela perspectiva de que o fim da era Jobs poderá dar a outras companhias a chance de se tornarem mais competitivas em relação à Apple.

Leia tudo sobre: açõesApplenasdaqmercados

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG