Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Mitsubishi UFJ quer comprar unidade do Royal Bank of Scotland

A transação é avaliada em US$ 6,4 bilhões e tem como meta acelerar a expansão do banco japonês no exterior

Reuters |

O Mitsubishi UFJ Financial, maior banco do Japão, está negociando a compra da unidade de operações estruturadas do Royal Bank of Scotland, segundo fontes. A transação é avaliada em US$ 6,4 bilhões e tem como meta acelerar a expansão do banco japonês no exterior.

Diante de fracas perspectivas de crescimento no Japão, os bancos do país têm ampliado esforços para crescer no exterior, mas suas atividades têm se limitado em grande medida à Ásia.

Uma operação com o RBS daria ao Mitsubishi UFJ forte posição em financiamento para projetos de energia e infraestrutura na Europa, Oriente Médio e África.

O governo britânico controla 84% das ações com direito à voto do Royal Bank of Scotland e está buscando se desfazer de ativos.

Duas fontes com conhecimento das negociações e que pediram para não serem identificadas disseram que as conversas envolvem a unidade de project finance do Royal Bank of Scotland.

O Mitsubishi assumiu uma participação de cerca de 20% no banco de investimento Morgan Stanley no auge da crise financeira internacional e, desde então, vem ativamente buscando por mais operações no exterior. Representante da instituição não comentou se o banco está negociando com o Royal Bank of Scotland.

"Nenhuma decisão foi tomada. É tudo que podemos dizer", disse Tomohiro Kosaka, um porta-voz do Mitsubishi UFJ.

As operações de project finance, em que bancos organizam pacotes de financiamento em dívida e ativos para dar crédito a grandes planos industriais, podem ser importantes fontes de receita para as instituições financeiras por meio das taxas de assessoria que cobram.

O Royal Bank of Scotland é o quinto maior do mundo em project finance este ano, assessorando um total de US$ 9,64 bilhões em projetos, segundo dados da Thomson Reuters. O Mitsubishi UFJ aparece na 24ª posição.

 

Leia tudo sobre: NEGOCIOSBANCOSMUFGRBS

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG