O Lehman Brothers Holdings Inc. demitiu um funcionário semanas depois de ele ter alertado sobre a contabilidade da empresa em 2008, conforme matéria do Wall Street Journal (WSJ).

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561773193&_c_=MiGComponente_C

Matthew Lee, com 14 anos de Lehman, foi dispensado em junho de 2008 em meio a fortes perdas da empresa. No início daquele mês, ele tinha manifestado sua preocupação ao auditor do banco, o Ernst & Young, de que o Lehman teria retirado temporariamente US$ 50 bilhões em ativos do balanço.

Segundo a matéria do WSJ, a estratégia contábil ajudou a mascarar os riscos que a instituição estava assumindo em meio ao exame de investidores e autoridades reguladoras sobre a saúde das empresas de Wall Street.

À época, o Lehman disse que a saída de Lee, um vice-presidente sênior, fazia parte de um grande enxugamento da empresa, como informaram pessoas a par da situação ouvidas pelo WSJ.

O Lehman pediu proteção contra credores em setembro de 2008 e seus ativos foram vendidos para o Barclays, entre outros. Um porta-voz do banco britânico não quis comentar o assunto.

De desconhecido executivo do Lehman, Lee está agora no centro das alegações de que o banco enganou investidores usando um dispositivo de contabilidade incomum, conhecido internamente como "Repo 105", para deixar ativos momentaneamente fora do balanço, conforme um documento de um avaliador do tribunal federal de falências divulgado na semana passada.

Leia mais sobre: Lehman Brothers

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.