Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

LCA vê chance "relevante" de alta da Selic em 2011

Consultoria acredita que é pouco provável que o BC venha a promover qualquer alteração na Selic na última reunião do Copom de 2010

Valor Online |

A LCA Consultores Associados avalia que a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), de manter a taxa Selic em 10,75% ao ano, sugere que o Banco Central continua a sustentar a avaliação de que os resultados desconfortáveis de inflação são fruto de choques transitórios, como a alta dos alimentos, que por ora não chegam a colocar em risco o cumprimento das metas de inflação.

A consultoria, que também não se surpreendeu com a decisão do colegiado anunciada ontem à noite, considera pouco provável que o BC venha a promover qualquer alteração na Selic na última reunião do Copom de 2010, agendada para 8 de dezembro. "Já as chances de que a Selic venha a ser elevada em 2011 continuam relevantes, embora ainda não sejam preponderantes", afirmam os economistas.

Em relatório, a LCA faz ponderações sobre sinais contraditórios que devem ser observados no momento. As estatísticas divulgadas desde a reunião anterior do Copom, de 1º de setembro, reafirmaram as perspectivas de moderação no ritmo de expansão da atividade econômica doméstica.

As taxas de utilização da capacidade da indústria também apontaram gradativa descompressão, sugerindo que os riscos de descompassos entre oferta e demanda na cadeia produtiva estariam diminuindo.

No entanto, apesar de a atividade parecer evoluir de maneira favorável a um confortável dinâmica inflacionária, as estatísticas de inflação continuaram a exibir resultados desconfortáveis. Houve aceleração da inflação corrente - tanto do índice pleno como das medidas de núcleo - e as expectativas inflacionárias continuaram a oscilar para cima.

Também os ventos externos revelam vetores contraditórios, alerta a LCA. Enquanto os EUA veem enfraquecer as chances de recuperação de sua economia, a China parece buscar instrumentos - como a elevação recente de suas taxas básicas de juros - para dosar o crescimento e evitar que a inflação acelere para além dos níveis de conforto.

Leia tudo sobre: Finanças

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG