Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Juros futuros terminam o pregão em alta

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros tiveram um pregão instável nesta sexta-feira e encerraram a jornada apontando para cima na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F)

Valor Online |

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros tiveram um pregão instável nesta sexta-feira e encerraram a jornada apontando para cima na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F). Antes do ajuste final de posições, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2012 apontava alta de 0,04 ponto, a 11,42%. Janeiro de 2013, mais líquido do dia, mostrava valorização de 0,06 ponto, a 11,83%. E janeiro 2014 também ganhava 0,04 ponto, a 11,74%. Entre os curtos, novembro de 2010 subiu 0,01 ponto, a 10,63%. E janeiro de 2011 perdeu 0,01 ponto, a 10,64%. Até as 16h10, foram negociados 673.595 contratos, equivalentes a R$ 57,21 bilhões (US$ 34,10 bilhões), em linha com o registrado no pregão anterior. O vencimento de janeiro de 2013 foi o mais negociado, com 126.440 contratos, equivalentes a R$ 9,87 bilhões (US$ 5,88 bilhões). Apesar da volatilidade da semana, a curva não mudou de formato ou de inclinação de forma significativa. Conforme notou o economista-chefe do Banco Shachin, Sílvio Campos Neto, essa indefinição do mercado deve continuar ao menos no curto prazo, pois o cenário segue incerto quanto ao rumo da política monetária em 2011. Os dados de inflação seguem pressionados, mas não surpreendem, pois a alta capitaneada pelos alimentos já era esperada. Já os dados de atividade, mostra um crescimento, mas em ritmo moderado. Ainda de acordo com o especialista, apesar de o Banco Central acreditar em um cenário mais benigno para a trajetória de inflação e crescimento, os riscos são de alta para os preços. Por isso mesmo é que a curva embute a possibilidade de alta de juros em algum momento de 2011. Na próxima semana, atenção ao comportamento do comércio varejista em agosto e à primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de outubro. (Eduardo Campos | Valor)

Leia tudo sobre: Finanças

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG