Banco admitiu que funcionários podem ter assinado equivocadamente os documentos. Um empregado liberou milhares de execuções

O JP Morgan Chase decidiu supender o processo de execução de algumas hipotecas, após reconhecer que alguns de seus funcionários podem ter assinado equivocadamente os documentos relacionados. Segundo a rede de televisão CNBC, um empregado liberou milhares de execuções sem ter lido pessoalmente os documentos relativos às hipotecas.

Com a medida, o banco pretende revisar sistematicamente os arquivos. A instituição financeira aponta que essa medida afeta 56 mil hipotecas que estão em algum estágio no processo de execução. O número de casos em revisão, no entanto, pode subir. De acordo com o porta-voz do JP Morgan, Tom Kelly, alguns responsáveis do banco podem ter assinado as execuções após revisões de documentos feitas por outras pessoas - ou seja, não tiveram acesso aos papéis pessoalmente.

Há uma preocupação no país sobre os serviços da indústria de hipotecas, diante das notícias de que funcionários assinam centenas de execuções todos os dias sem revisarem apropriadamente os documentos relacionados a cada caso. O JP Morgan é a segunda grande instituição financeira a suspender execuções apenas neste mês. Na semana passada, a GMAC tomou essa medida em 23 estados para investigar o processo de assinatura dos documentos. Um dos funcionários da instituição admitiu que chegava a assinar 500 execuções por dia sem revisar os documentos relacionados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.