Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Expectativa por estímulos nos EUA gera altas de mais de 1% na Europa

SÃO PAULO - As bolsas europeias registram fortes altas nesta quarta-feira, com os investidores entusiasmados diante dos sinais de provável ação do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) para estimular a economia americana

Valor Online |

SÃO PAULO - As bolsas europeias registram fortes altas nesta quarta-feira, com os investidores entusiasmados diante dos sinais de provável ação do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) para estimular a economia americana. Ontem foi divulgada a ata da última reunião do Fed, que traz indícios de medidas que poderão ser adotadas pela autoridade monetária. Tais informações contribuem para a valorização de 1,25% no FTSE 100, da bolsa de Londres, que há pouco marcava 5.732,56 pontos. As mineradoras e os bancos lideravam o ranking de maiores ganhos nesta sessão. As ações da Xstrata subiam 4,40%, seguida pelas da Rio Tinto e da Anglo American, ambas com alta de 4,07%. Os papéis da BHP Billiton, por sua vez, tinham 3,56% de valorização. Dentre os bancos, os ganhos eram mais modestos, com as ações do Lloyds subindo 1,31%, enquanto as do HSBC avançavam 0,88% e as do Royal Bank of Scotland, 0,84%. Em Paris, o índice CAC 40 tinha 1,50% de valorização, aos 3.805,17 pontos, enquanto em Frankfurt, o índice DAX subia 1,49%, para 6.398,60 pontos. Na Espanha, o Ibex 35, da bolsa de Madri, avançava 1,25%, para 10.787,70 pontos e, em Milão, o FTSE MIB ganhava 1,18%, aos 20.994,85 pontos. O balanço da Intel, divulgado ontem, está impulsionando as ações do setor de tecnologia. A companhia reportou aumento de 59% em seu lucro líquido no terceiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado. Em Frankfurt, as ações da Infineon Technologies disparavam mais de 5%, enquanto em Paris, os papéis da STMicroelectronics tinham 3,5% de alta. Na bolsa de Londres, as ações ARM Holdings avançavam 2,48%. (Francine De Lorenzo | Valor, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: Finanças

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG