Tamanho do texto

BRASÍLIA - Prévia do Banco Central (BC) para agosto mostra que o crédito continua sua trajetória de expansão, em ritmo mais desacelerado. No mês até o dia 12, a alta era de 1,1% em relação a período igual de julho, sendo 0,3% para empresas e 2,1% para as famílias.

BRASÍLIA - Prévia do Banco Central (BC) para agosto mostra que o crédito continua sua trajetória de expansão, em ritmo mais desacelerado. No mês até o dia 12, a alta era de 1,1% em relação a período igual de julho, sendo 0,3% para empresas e 2,1% para as famílias. A autoridade monetária detectou um ritmo menor no crescimento do crédito em julho, quando a variação mensal do estoque foi de 1,2%, ante 2,2% em junho e 2% em maio sobre abril. O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, justificou que o ritmo menor na concessão de crédito está relacionada a certa desaceleração da atividade produtiva, verificada no segundo trimestre do ano. No ano, o crédito global subiu 9,4% e acumulava 18,4% em 12 meses até julho, somando R$ 1,548 trilhão. Lopes destacou que algumas modalidades, como financiamento habitacional, tem expansão expressiva de 51,1% em 12 meses, sendo 26,3% no ano e 4% em julho sobre junho deste ano. O aumento das operações de crédito imobiliário, que tem prazos mais longos, em torno de 15 anos, tem contribuído na dilatação do prazo médio dos empréstimos na rede bancária, que subiram a 452 dias corridos, no mês passado. Lopes destacou ainda que a inadimplência apresenta acomodação para atrasos superiores a 90 dias, tanto de empresas (3,6%) quanto das famílias (6,5%), com média de 5%. Mas, segundo ele, enquanto as operações das pessoas físicas mostram tendência de queda na inadimplência, tendo em vista contração também nos atrasos inferiores a três meses, "há chances" da inadimplência das empresas voltar a crescer. Isso porque estão estáveis há algum tempo, sem recuo nos atrasos abaixo de 90 dias. Também teria a ver com o custo mais elevado dos empréstimos que as pessoas jurídicas, em geral, pagaram no mês passado. (Azelma Rodrigues | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.