Moeda americana encerrou a sessão da sexta-feira no campo positivo; na semana, alta acumulada é de 2,71%

A moeda norte-americana encerrou a sessão desta sexta-feira no campo positivo, diante do aumento da aversão a risco nos mercados. Dados preliminares apontam que, com mínima de R$ 1,829 e máxima de R$ 1,862, o dólar comercial fechou o dia valendo R$ 1,857 na compra e R$ 1,859 na venda, valorização de 1,75%. Na semana, a divisa se valorizou em 2,71%.

O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou nesta sexta-feira em baixa de 4,15% na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), negociado a US$ 71,51. Essa é a maior queda em quatro meses, uma consequência direta da divulgação do aumento do desemprego nos Estados Unidos.

A cotação dos contratos de futuros do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) mais negociados hoje, os de vencimento em julho, caíram nesta sexta-feira US$ 3,10 com relação ao preço do fechamento do dia anterior. Com este descenso, que interrompe dois dias de altas e que representa a maior queda percentual desde 4 de fevereiro, o Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) acumula uma desvalorização semanal de 3,32%. No ano, o recuo chega a 9,89%.

Os contratos de futuros de gasolina e gasóleo para entrega em julho também caíram US$ 0,09 e US$ 0,08, respectivamente, e terminaram o pregão a US$ 1,99 e US$ 1,95 por galão (3,78 litros). Na semana, o preço da gasolina recuou 1% e o gasóleo, 1,5%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.