Tamanho do texto

A percepção negativa quanto à recuperação global e ao desempenho dos mercados ameaça se consolidar por um período mais longo

selo

O dólar comercial abriu o dia em alta de 0,45%, negociado a R$ 1,778 no mercado interbancário de câmbio. No pregão de quarta-feira, a moeda norte-americana fechou em alta de 0,63%, cotada a R$ 1,77. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar com liquidação à vista abriu as negociações em alta de 0,40%, a R$ 1,777. 

Os EUA e a China recolocaram a aversão ao risco no comando dos negócios do mercado financeiro nos últimos dias e, agora, surgiram dados ruins também da Europa, onde a produção industrial teve uma queda inesperada de 0,1% em junho. A percepção negativa quanto à recuperação global e ao desempenho dos mercados ameaça se consolidar por um período mais longo. Em menos de três pregões, o euro saiu da casa de US$ 1,33 para testar a marca de US$ 1,27 na manhã de hoje. 

Até quarta-feira, vários especialistas acreditavam que a guinada do mercado traria como consequência uma realização de lucros. Agora, alguns falam que será necessário observar melhor os próximos pregões e os indicadores para concluir se o mercado passou a uma nova situação, ou se os investidores estão só embolsando os rendimentos recentes. Dessa forma, ganham ainda mais importância os indicadores de atividade ao redor do mundo. 

No Brasil, toda essa cautela perde força diante das expectativas de fluxo. No segmento financeiro, o contraste entre a fragilidade externa e as expectativas positivas para o Brasil somadas a juros altos endossa as apostas em entradas de recursos tanto por arbitragem quanto por emissões de bônus e investimentos diretos. 

No segmento comercial, o ajuste de alta provocado pelas tensões externas tende a facilitar o ingresso de pelo menos parte das exportações que estão represadas lá fora, aguardando o momento mais propício para entrar no País. Na primeira semana de agosto, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 1,8 bilhão. A avaliação dos operadores é de que as entradas continuam superando as saídas esta semana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.