Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Dólar chega ao menor preço do ano, na mínima do dia

SÃO PAULO - A moeda americana opera no território negativo desde a abertura do pregão e tem o seu quarto dia de queda. A confirmação da capitalização da Petrobras vem pressionando a divisa para baixo.

Valor Online |

Por volta das 10h40, o dólar comercial tinha queda de 0,34%, cotado a R$ 1,724 na compra e a R$ 1,726 na venda. Na mínima, foi a R$ 1,718, menor patamar deste ano. Até então, a cotação mais baixa tinha sido verificada em 4 de janeiro, quando o dólar comercial encerrou a sessão a R$ 1,720 na venda. No mercado futuro, o contrato de outubro negociado na BM & F declinava 0,14%, saindo a R$ 1,733. Hoje o mercado está analisando detalhes da oferta pública da Petrobras. Está prevista uma emissão de até 4,3 bilhões de ações, além de ADRs (recibos de ações), uma vez que a oferta será realizada simultaneamente no Brasil e no exterior. Segundo o prospecto divulgado, a estatal poderá ainda optar por um lote adicional de até 375.994.189 papéis, entre ações ordinárias e preferenciais, incluindo ADRs, o que equivale a até 10% das ações inicialmente ofertadas. Além disso, a oferta poderá ser acrescida de um lote suplementar de até 187.997.094 papéis, entre ações ordinárias e preferenciais, incluindo ADRs, o que equivale a até 5% do total de ações (contando o lote adicional). Conforme matéria publicada na edição de hoje do Valor, a oferta de ações da Petrobras, a preços de mercado de ontem, será equivalente a R$ 111 bilhões, podendo chegar a R$ 128 bilhões, em caso de demanda extra pelos papéis. Desta forma, o aumento da capitalização da estatal será de 42% a 49%. Porém, o total exato de recursos que a estatal levantará depende do preço que será fixado pelos investidores durante a distribuição. Nas ofertas públicas, o preço das ações é formado pela demanda. Entre os indicadores do dia, foi divulgado que a economia americana cortou 54 mil postos de trabalho em agosto e a taxa de desemprego ficou em 9,6%, segundo o Departamento do Trabalho dos EUA. O resultado veio melhor do que o esperado, uma vez que analistas apostavam em uma perda de ao menos 105 mil empregos. (Karin Sato | Valor)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG