Dólar anula queda do início do dia e avança 0,52%

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu pelo segundo dia consecutivo nesta segunda-feira, em uma sessão marcada pelo volume relativamente pequeno e pela ausência de indicadores relevantes.

A moeda norte-americana terminou o dia a 1,728 real, em alta de 0,52 por cento.

O volume registrado na clearing (câmara de compensação) da BM&FBovespa foi reduzido pelo segundo dia seguido, em cerca de 1,7 bilhão de dólares perto do fechamento, ante média de 3,2 bilhões de dólares na semana passada.

A alta do dólar foi definida na metade do dia, quando a cotação da moeda deixou de exibir uma leve queda para rapidamente subir para perto de 1,73 real. De acordo com o operador de uma corretora, que preferiu não ser identificado, houve uma compra pontual de dólares, concentrada em três casas.

Em outra corretora, um profissional atribuiu esse movimento a uma diminuição da posição vendida de fundos estrangeiros, que vem se mantendo em níveis expressivos na BM&FBovespa por causa da maior quantidade de dólares que têm ingressadado no país.

Na sexta-feira, último dado disponível, a posição vendida de investidores não-residentes em dólar futuro e cupom cambial estava em 13,109 bilhões de dólares, ou 262 mil contratos.

No restante das operações, o mercado continuou dividido entre a tendência de queda provocada pela entrada de dólares e a pressão de alta causada pela intervenção do governo.

Dados das reservas internacionais induzem analistas como os do banco francês BNP Paribas a calcularem um ingresso de cerca de 4 bilhões de dólares no país somente na semana passada --o que levaria o fluxo no mês a cerca de 6 bilhões de dólares, mais que em todo o restante do ano.

Na sexta-feira, as reservas aumentaram 916 milhões de dólares, para o novo patamar recorde de 268,101 bilhões de dólares. Desde o dia 8, quando o Banco Central passou a fazer dois leilões de compra por dia no mercado, as reservas já cresceram 5,7 bilhões de dólares.

O segundo leilão desta segunda-feira já teve duração de cinco minutos, conforme decisão do Banco Central anunciada na sexta-feira.

DÓLAR APÓS PETROBRAS

Mas, conforme se aproxima o encerramento da principal fonte de dólares para o país na atualidade, a oferta de ações da Petrobras, o mercado já se questiona sobre a continuidade da tendência de queda da moeda. O preço das ações na capitalização será definido na quinta-feira, e a liquidação financeira da operação ocorrerá até dia 29.

"Concluído o processo, é de se esperar por persistência de fluxos generosos de capitais para o Brasil, mas em intensidade mais semelhante à observada durante o primeiro semestre do ano. Nesse caso a intervenção governamental poderia ter mais efeito, revertendo o movimento observado ao longo de setembro", escreveram analistas do Departamento de Pesquisa Econômica do Santander, em relatório.

Para o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, o crescente déficit em transações correntes no país tende a ajustar a taxa de câmbio no longo prazo.

O BC atualiza os números sobre contas externas e fluxo cambial na terça-feira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.