Tamanho do texto

SÃO PAULO - O dólar comercial acentuou o movimento de baixa seguindo a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), banco central americano. A autoridade monetária americana manteve a taxa básica entre zero e 0,25% ao ano, reconheceu uma redução no ritmo de retomada da produção e do emprego e mostrou preocupação com a deflação nos Estados Unidos.

SÃO PAULO - O dólar comercial acentuou o movimento de baixa seguindo a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), banco central americano. A autoridade monetária americana manteve a taxa básica entre zero e 0,25% ao ano, reconheceu uma redução no ritmo de retomada da produção e do emprego e mostrou preocupação com a deflação nos Estados Unidos. O Fed não anunciou novas medidas de estímulo. Por volta das 15h30, o dólar comercial registrava queda de 0,34%, a R$ 1,722 na venda. Vale lembrar que a moeda começou o dia sob pressão compradora e fez máxima a R$ 1,735. No mercado futuro, o contrato para outubro, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) recuava 0,69%, a R$ 1,7255. Outros mercados também reagiram à decisão do Fed. O índice Dow Jones reverteu leve baixa e subia 0,19%. O Euro acentuou alta e se aproxima de US$ 1,32. Já o Dóllar Index, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta de moedas, recuava 0,84%, para 80,6 pontos. De acordo com o comunicado do Fed, as medidas de inflação estão em patamares abaixo daqueles considerados pelo colegiado como consistentes com o seu mandato de promover o pleno emprego e a estabilidade dos preços. A expectativa, já que o nível de utilização de recursos é baixo e as expectativas de longo prazo seguem estáveis, é que a inflação fique controlada por mais algum tempo, antes de subir e atingir patamares que o Fed considera condizente com o seu mandato. O Fed disse, ainda, que segue monitorando o desempenho da economia e que está preparado para prover acomodação adicional, se necessário, para dar suporte à recuperação da atividade e para levar a inflação aos patamares que julga condizentes com o seus mandato. (Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.