Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

DIs sugerem fim de alta de juros em setembro

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros voltaram a perder prêmio de risco na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F) sugerindo uma consolidação das expectativas de que o Banco Central poderia encerrar o ciclo de alta de juros já no encontro de setembro. Antes do ajuste final de posições, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2012 caía 0,08 ponto, a 11,54%. Janeiro de 2013 recuava 0,05 ponto, a 11,88%.

Valor Online |

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros voltaram a perder prêmio de risco na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F) sugerindo uma consolidação das expectativas de que o Banco Central poderia encerrar o ciclo de alta de juros já no encontro de setembro. Antes do ajuste final de posições, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2012 caía 0,08 ponto, a 11,54%. Janeiro de 2013 recuava 0,05 ponto, a 11,88%. E janeiro 2014 devolvia 0,03 ponto, a 11,92%. Entre os curtos, agosto de 2010 registrava baixa de 0,01 ponto, a 10,63%. Setembro de 2010 não tinha oscilação, a 10,64%. Outubro de 2010 perdia 0,03 ponto, projetando 10,72%. E janeiro de 2011, o mais líquido do dia, apontava baixa 0,06 ponto, a 10,84%. Até as 16h20, foram negociados 1.383.945 contratos, equivalentes a R$ 126,75 bilhões, quase o dobro registrado no pregão de ontem. O vencimento janeiro de 2011 foi o mais negociado, com 560.635 contratos. Na avaliação do economista-chefe da Prosper Corretora, Eduardo Velho, essa reação do mercado está um pouco exagerada. "Não consigo vislumbrar essa redução forte de atividade", diz o especialista. Segundo Velho, na ata da reunião da semana passada, que será divulgada na quinta-feira, o BC deve acenar nova alta de 0,50 ponto ou redução do ritmo para 0,25 ponto. Uma parada do ciclo com a taxa nos atuais 10,75% é praticamente descartada pelo especialista, pois configuraria cenário que carrega um risco grande de retomada do ciclo de alta de juros mais adiante em função do crescimento da atividade doméstica. Ainda de acordo com Velho, essa ata terá de apresentar um discurso bastante coerente do Banco Central com relação à reavaliação de cenário que justificou o abrandamento do aperto monetário. O BC terá de mostrar que uma Selic ao redor de 10% , por exemplo, já seria suficiente para levar a inflação para o centro da meta, de 4,5%, ou até mesmo para baixo dela em 2011. Se esse for o sinal dado pela ata, diz o especialista, o mercado pode até aumentar as apostas para a redução de ritmo para 0,25 ponto. No entanto, se o discurso do BC se mostrar descolado da decisão, ou seja, for um discurso muito duro para uma alta de 0,5 ponto, o mercado pode assistir a uma abertura de taxa na curva longa. "Tem que ser uma ata muito coesa. O BC não deve correr o risco de ter uma ata descolada do resultado da reunião", conclui. Velho ainda chama atenção para a agenda de quarta-feira, que pode dar força a essa percepção de menor ritmo de atividade na economia local. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra a Sondagem Industrial de julho, a Fiesp apresenta seus indicadores industriais de junho, e Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga a Sondagem Industrial do segundo trimestre de 2010. Na agenda desta terça-feira, o Banco Central mostrou que a demanda por dinheiro continua elevada. O estoque de crédito cresceu 2% em junho, somando US$ 1,529 trilhão, ou 45,7% do Produto Interno Bruto (PIB), o que representa um recorde. Em junho de 2009, o percentual era de 41,8%. "Assim, o crédito continua se constituindo importante base de sustentação para a atividade econômica doméstica. Os efeitos da política monetária mais apertada devem demorar a se fazer sentir sobre o crédito, ainda mais depois da redução do ritmo de ajuste na última reunião do Copom, começando a ocorrer de forma mais importante apenas no último trimestre do ano", apontou a Rosenberg & Associados. Na gestão do endividamento público, o Tesouro vendeu todas as 750 mil Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B) que ofertou, levantando R$ 1,44 bilhão. (Eduardo Campos | Valor)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG