Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Compra de dólar eleva reservas em US$ 9,4 bi no mês

Dados do Banco Central mostram diminuição no ritmo das intervenções no mercado à vista na última semana

AE |

selo

As compras diárias de dólar realizadas pelo Banco Central elevaram as reservas internacionais em US$ 3,558 bilhões na semana passada, entre os dias 20 e 24 de setembro. O dado foi divulgado nesta quarta-feira pelo Banco Central e mostra diminuição do ritmo das intervenções no mercado à vista.

 

Na semana passada, as reservas aumentaram, na média, US$ 711,6 milhões a cada dia. O valor é 29,7% menor que o registrado na terceira semana do mês, quando as compras diárias ficaram em US$ 1,012 bilhão a cada dia em média. No acumulado de setembro até o dia 24, o BC aumentou as reservas em US$ 9,432 bilhões graças às compras diárias da moeda no mercado à vista.

 

Fluxo cambial

 

O ingresso de dólares diminuiu de ritmo na semana passada. De acordo com os dados do BC, o Brasil recebeu US$ 736 milhões entre os dias 20 e 24 de setembro - média diária de US$ 147 milhões. A velocidade é bem distinta da observada nas três semanas anteriores, quando o Brasil havia recebido US$ 11,135 bilhões no acumulado do período ou US$ 928 milhões a cada dia em média. Com a quarta semana, o mês de setembro tem, até o dia 24, ingresso de US$ 11,871 bilhões.

 

O ingresso de dólares é liderado pelo segmento financeiro, por onde entraram US$ 2,615 bilhões nos cinco dias da semana passada. No acumulado do mês até o dia 24, o fluxo financeiro está positivo em US$ 14,456 bilhões. No segmento comercial, a semana passada teve saída líquida de US$ 1,879 bilhão, resultado de importações de US$ 4,481 bilhões e exportações de US$ 2,602 bilhões. No acumulado do mês de setembro até o dia 24, a saída de dólares pelo comércio exterior soma US$ 2,585 bilhões.

 

No ano até 24 de setembro, o fluxo cambial está positivo em US$ 1,075 bilhão, tendo superávit de US$ 1,215 bilhão na conta financeira e déficit de US$ 140 milhões no comércio exterior.

Leia tudo sobre: ECONOMICOECONOMIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG