O Débito Direto Autorizado (DDA) entra em vigor na próxima segunda-feira (19) sem cobrança para o correntista. A reportagem do Último Segundo procurou cinco dos maiores bancos do País, que informaram que não cobrarão tarifas pelo novo serviço. O DDA é uma forma totalmente eletrônica de pagamento de boletos, sem que seja necessária a impressão do documento.

Criado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o sistema pretende reduzir pela metade a impressão de boletos de cobrança em três anos, diminuir gastos com postagem e tornar as operações mais seguras ¿ com a visualização eletrônica evitam-se extravios, fraudes e atrasos no recebimento dos títulos.

O correntista deve se cadastrar junto ao banco para passar a receber seus boletos eletronicamente e não mais impressos. Segundo a Febraban, a partir do momento em que o correntista se cadastra no sistema do DDA, todos os boletos emitidos em seu nome passarão a ser enviados eletronicamente. As empresas emissoras dos boletos também precisarão se cadastrar no sistema.

O novo serviço não terá cobrança para os correntistas do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itau-Unibanco, Bradesco e HSBC. Os bancos Santander e Real foram procurados, mas até a noite de sexta-feira não haviam retornado.

A Febraban não tem dados sobre a adesão ao DDA, mas alguns bancos informaram que a procura tem sido grande. O gerente do Departamento de Comercialização de Produtos e Serviços do Bradesco, Rizaelcio Machado de Oliveira, afirmou que a procura tem sido expressiva, especialmente pela internet e pelos canais de atendimento, disse.

No Banco do Brasil, 1,3 milhão de boletos eletrônicos já foram emitidos, somando R$ 7,6 bilhões em cobranças, segundo informou a assessoria de imprensa do banco estatal.

Já no Itaú-Unibanco, 300 mil clientes já se cadastraram no novo sistema, o que o superintendente de Produtos do banco, Ângelo Russomanno Fernandes, classificou como surpreendente. Acreditamos que as pessoas e empresas terão um grande ganho de eficiência com esse sistema, afirma.

Como funciona

As informações de empresas, clientes e boletos eletrônicos serão centralizadas pela Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP). O sistema funciona da seguinte maneira:

1) Empresas enviam os dados da cobrança para seus bancos, que passam a informação para a central do DDA

2) Os bancos dos consumidores acessam o DDA para gerar os boletos eletrônicos e disponibilizar a visualização para seus clientes

3) Os consumidores têm a opção de agendar o pagamento, pagar na data atual ou não quitar a dívida no momento, assim como na versão em papel. Diferentemente do débito automático, o pagamento somente é realizado se o cliente autorizar

4) Em caso de não pagamento, o cliente deve pedir ao seu banco as informações sobre o boleto vencido e se dirige ao banco emissor do documento para realizar o pagamento

O pagamento do boleto gerado por DDA só poderá ser feito eletronicamente no banco em que está cadastrado para ser visualizado. Os boletos não terão código de barras, por isso não há como imprimi-los e pagá-los em um banco.

Nesta primeira fase, impostos e concessionárias de serviços públicos (água, luz, telefone, gás) não estarão no DDA. Segundo a Febraban, essas cobranças utilizam um processo de pagamento diferente do de boletos e, para incluí-las no DDA, é necessário a criação de outro sistema. Podem participar do DDA escolas, planos de saúde, condomínios, imobiliárias, clubes, lojas que efetuam crediários, financiadoras e empresas em geral que recebem pagamentos por boletos bancários.

(Colaborou Marina Morena Costa)

Leia mais sobre bancos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.