A Comissão Regulatória Bancária da China (CBRC, na sigla em inglês) alertou os bancos para gerenciarem com prudência suas operações de financiamento, dizendo que o desvio de empréstimos pode prejudicar a estabilidade do setor. Em seu último esforço para impedir que empréstimos bancários emitidos desde o final de 2008 sejam desviados ou apresentem riscos ao sistema financeiro, a CBRC anunciou regras com vigência imediata.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561210123&_c_=MiGComponente_C

A iniciativa busca garantir que os empréstimos para pessoas e empresas sejam administrados de forma apropriada. O órgão também exigiu que os bancos permaneçam atentos com relação aos empréstimos, mesmo após terem sido feitos.

As normas surgem diante da restrição dos empréstimos bancários por formuladores de políticas monetárias, conforme riscos de bolhas especulativas nos mercado acionário e imobiliário local aumentam. "Quando os fundos emprestados não são realmente utilizados de acordo com o que foi acordado, não apenas afetarão diretamente os direitos legais do tomador, mas também podem desencadear riscos sistêmicos e afetar a estabilidade e segurança do nosso sistema bancário", afirmou a comissão em comunicados divulgados no site.

Dada a situação de rápida expansão do crédito, garantir a segurança dos fundos emprestados e efetivamente impedir riscos nas operações diárias já se tornou uma tarefa chave para os bancos e o órgão regulador do setor. As regras permitem aos bancos emitir empréstimos diretamente para o tomador de modo a garantir que os fundos sejam utilizados para o devido propósito.

Tal acordo visa "impedir e erradicar fraudes e falsificações no uso de fundos emprestados", afirmou a CBRC. Analistas disseram que os empréstimos bancários têm sido desviados para investimento no mercado acionário. A medida não busca dificultar o processo, e sim evitar que bancos estendam os empréstimos pessoais para fins não especificados, segundo o órgão. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre: China

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.