Tamanho do texto

Ações da Petrobras caem mais de 3% e lideram as perdas do Ibovespa. Às 15h44, o índice caía 0,74%

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda nesta quarta-feira. Às 15h44 (horário de Brasília), o índice Bovespa (Ibovespa) caía 0,74%, aos 66.253 pontos. No entanto, o fim das férias de verão no Hemisfério Norte poderá trazer capital externo aos negócios brasileiros a partir de agora.

As ações da Petrobras lideravam as perdas do índice. Enquanto os papéis ordinários da companhia perdiam 4,71%, os preferenciais tinham queda de 3,92%, para R$ 27,95. Juntos, respondiam por cerca de 20% dos negócios da Bolsa. No fechamento de segunda-feira, as ações PN estavam em R$ 29,09, após ter acumulado um ganho de 14% em seis pregões, desde que saíram definições em relação à capitalização da estatal .

Na opinião de analistas ouvidos pelo iG , o preço das ações da empresa devem andar de lado até a oferta, prevista para o final deste mês.

A movimentação em torno das ações da Petrobras pode ser um indicativo desse apetite, em meio ao processo de capitalização da companhia. Porém, a falta de disposição ao risco mantém os mercados vulneráveis hoje - dia do primeiro pregão de fato da Bolsa nesta semana, encurtada por dois feriados. Enquanto a praça local permaneceu fechada ontem, Wall Street teve um dia de baixa , o que influencia a abertura em queda do mercado de ações brasileiro.

Após um início de semana fraco, com feriados nos Estados Unidos na segunda-feira e no Brasil ontem, o mercado deve retomar o fôlego hoje. Mas a agenda econômica do dia traz poucos indicadores, com os agentes concentrando as atenções no Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), que será divulgado às 15 horas (horário de Brasília). O mercado deve acompanhar a avaliação do BC norte-americano sobre a economia do país e as eventuais indicações sobre um novo alívio monetário.

Na esfera administrativa, o governo do presidente Barack Obama começou a propor medidas de estímulo à economia dos EUA, com o anúncio de um plano de obras públicas para os próximos seis anos. Hoje, a expectativa é de que ele apresente novas propostas, durante discurso em Cleveland (Ohio). Entre elas deve estar um plano para reduzir os impostos cobrados das empresas.

Petrobras

No Brasil, a Bovespa deve seguir refém das movimentações da Petrobras, que vive uma oferta pública de ações. Segundo analistas, a procura dos acionistas que querem aumentar posição na empresa antes da primeira data de corte para a subscrição, em 10 de setembro, vem puxando os papéis da companhia desde a última sexta-feira.

A dúvida é saber se tal demanda terá continuidade, com os papéis respirando aliviados passadas as incertezas sobre o processo de capitalização, ou se os agentes vão voltar a bater nas ações diante da possibilidade de diluição dos minoritários e da maior estatização da petrolífera.

(Com Agência Estado)

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.