Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Bovespa deve iniciar negócios no campo positivo

Depois da baixa de 0,14% registrada no pregão de ontem, aos 69.884 pontos, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) pode voltar ao campo positivo no início dos negócios desta sexta-feira.

Valor Online |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561694473&_c_=MiGComponente_C

O Ibovespa futuro, com vencimento em abril, subia, há instantes, 0,20%, aos 70.645 pontos.

No pregão de ontem, as ações da OGX Petróleo se destacaram, ao movimentar R$ 737 milhões. Os papéis preferenciais da empresa subiram 4,64%, a R$ 17,8.

A OGX divulgou ontem que apurou lucro líquido de R$ 10,829 milhões em 2009, uma redução de 97% em relação aos R$ 359,884 milhões registrados em 2008. Segundo a companhia, o principal motivo da redução do lucro foi o aumento das despesas financeiras, que somaram R$ 608,4 milhões, contra R$ 37,1 milhões em 2008.

Como a empresa ainda não possui produção, não gerou receitas em 2009. As despesas com exploração, por sua vez, somaram R$ 97,914 milhões, 29,6% a menos do que no ano anterior, enquanto as despesas administrativas dobraram para R$ 118,025 milhões.

Em Wall Street, os futuros operam sem direção definida. Ontem, as bolsas registraram queda ao longo de grande parte do pregão. Ao fim dos negócios, entretanto, os índices inverteram o rumo. O índice Dow Jones ganhou 0,11%, o S & P 500 avançou 0,17% e o Nasdaq se valorizou 0,36%.

Na agenda desta sexta-feira, estão no foco do mercado apenas divulgações do cenário externo, com destaque para números americanos. Serão reveladas as vendas no varejo nos Estados Unidos referentes ao mês de fevereiro, o dado preliminar de confiança do consumidor de março, medido pela Universidade de Michigan, além da situação dos estoques nas empresas em janeiro.

Na Europa, as bolsas operavam no campo positivo, com destaque para o índice DAX, de Frankfurt, que avançava 0,81%, há pouco, seguido pelo CAC-40, de Paris, com valorização de 0,50%, e o FTSE-100, de Londres, que tinha alta de 0,30%.

Na Ásia, a sexta-feira terminou sem direção única para os mercados.

Nesta manhã, a agência de estatísticas Eurostat revelou que a produção industrial cresceu 1,7% na zona do euro entre dezembro do ano passado e janeiro de 2010, com ajuste sazonal. Na União Europeia, houve expansão de 1,8%.

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o emprego industrial subiu 0,3% em janeiro, após declínio de 0,6% no último mês de 2009. O dado foi ajustado sazonalmente.

Na comparação com o primeiro mês de 2009, o pessoal ocupado na indústria diminuiu 1,1%. A taxa foi a menor desde dezembro de 2008. Em 12 meses, o indicador também teve baixa, de 5,1%.

No mercado de câmbio, o dólar operava em baixa em relação ao real pela quarta sessão consecutiva, acompanhando a valorização apresentada pelo euro e pela libra. Há pouco, a moeda americana valia R$ 1,763 na venda, queda de 0,39%.

Leia tudo sobre: bovespanegócios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG