Tamanho do texto

Presidente do BC dos EUA disse que instituição agirá, se necessário. O Ibovespa retomou os 65 mil pontos, mas caiu 1,6% na semana

Após seis quedas seguidas, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em forte alta de 2,69% nesta sexta-feira, acompanhando as bolsas externas, que subiram após o discurso de Ben Bernanke, o presidente do Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos.

O principal índice da Bovespa, o Ibovespa, retomou os 65 mil pontos, aos 65.585 pontos e teve giro financeiro de R$ 5,259 bilhões. Apesar da alta desta sexta, o indicador acumulou queda de 1,64% na semana. As ações preferenciais da companhia aérea Gol lideravam os ganhos do dia no final do pregão, com alta de 6,32%, para R$ 22,72.

Em discurso nesta sexta-feira, Ben Bernanke deu novos sinais de que a instituição está pronta para agir, se for necessário. Segundo ele, o Fed vai considerar fazer uma outra grande compra de títulos se a economia se deteriorar significativamente. Além disso, Bernanke ressaltou que, apesar da recente desaceleração dos EUA, é razoável esperar algum ímpeto no crescimento em 2011 e nos anos seguintes.

O crescimento da economia dos EUA no trimestre passado foi de 1,6%, abaixo da leitura preliminar de avanço de 2,4%, mas acima do consenso dos analistas, de revisão para alta de 1,3%. Imediatamente após os números, os índices futuros de Nova York ampliaram os ganhos apurados desde cedo.

Petrobras e Vale

Com maior peso no Ibovespa e maiores volumes de negociação, as ações da Vale e da Petrobras tinham ganho superior a 3% no final do pregão. Os papéis preferenciais da petrolífera subiam 3,35%, para R$ 26,56. Já os preferenciais da Vale tinham alta de 3,07%, para R$ 41,95.

A capitalização da Petrobras também é monitorada pelos investidores, que aguardam a definição oficial sobre o preço do barril do petróleo que será utilizado no processo.

O mercado doméstico aguarda novas informações a respeito do processo de capitalização da Petrobras . O governo já teria batido o martelo e, salvo qualquer argumentação extraordinária nos próximos dias, o preço do barril da cessão onerosa deverá ficar em US$ 8,50. Porém, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, desmentiu, por meio de sua assessoria de imprensa, que o governo tenha definido o preço do barril que será cedido onerosamente à estatal. Ele afirmou que qualquer informação nesse sentido "é pura especulação". Segundo Mantega, as análises dos dados técnicos não foram concluídas, o que deverá ocorrer na próxima semana.

A Vale também deve agitar os negócios na Bolsa, diante da informação de que a mineradora reduzirá o preço do minério de ferro em cerca de 10% a partir de outubro, pela primeira vez desde a adoção do novo sistema de revisão trimestral da matéria-prima. Depois de aplicar aumentos de 170% ao longo deste ano, a redução a partir do próximo trimestre se dará com base nos novos valores usados como referência no mercado à vista da China, que caiu nos últimos meses. O índice preciso só será fechado na próxima terça-feira, mas a mineradora não vai tornar públicos os novos preços, já que, a partir de outubro, cada cliente receberá sua fatura com os valores já atualizados.

(Com Agência Estado e Valor Online)

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.