As bolsas europeias fecharam com fortes ganhos, liderados pelos papéis de bancos, que ganharam força após o UBS e o Deutsche Bank divulgarem resultados trimestrais mais fortes que a previsão de analistas e pelo fato de as novas regras propostas para o setor financeiro não serem tão rígidas quanto se esperava

selo

As bolsas europeias fecharam com fortes ganhos, liderados pelos papéis de bancos, que ganharam força após o UBS e o Deutsche Bank divulgarem resultados trimestrais mais fortes que a previsão de analistas e pelo fato de as novas regras propostas para o setor financeiro não serem tão rígidas quanto se esperava.

O Comitê de Supervisão Bancária da Basileia propôs na noite de ontem novas regras de capital e liquidez para o setor. As mudanças foram "mais favoráveis do que o esperado", segundo Oliver Gilvarry, da Dolmen Stockbrokers.

Para Philippe Gijsels, diretor de pesquisa do BNP Paribas Fortis Global Markets, outro fator que ajudou as ações do setor financeiro foram "os resultados razoavelmente decentes divulgados por alguns bancos pela manhã. E certamente o alívio trazido pelos resultados dos testes de estresse também está contribuindo, de forma que muitas coisas estão trabalhando a favor do setor no momento."

Mesmo assim, os principais índices acionários europeus reduziram os ganhos após o Conference Board divulgar que a confiança do consumidor norte-americano diminuiu novamente em julho. Segundo Angus Campbell, da Capital Spreads, "os números dos EUA vieram um pouco piores do que o esperado, o que não acontecia com um dado há certo tempo. Isso permitiu que alguns investidores tirassem dinheiro do mercado".

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,39%, para 258,11 pontos, marcando o sexto fechamento consecutivo em território positivo.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra DAX encerrou com elevação de 0,21%, a 6.207,31 pontos, recuando da máxima da sessão após uma leve realização de lucros. O Commerzbank fechou em alta de 4,80%; o Deutsche Bank - que divulgou um crescimento de 6,2% no lucro do segundo trimestre deste ano em relação a igual período do ano passado - subiu 4,49%. A montadora Daimler caiu 4,21% e a empresa de software SAP recuou 2,24%, após divulgar que a receita com softwares subiu nas Américas, mas caiu no restante das regiões.

O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, fechou em alta de 0,27%, a 5.365,67 pontos. As ações da BP caíram 2,63% após a companhia anunciar um prejuízo de US$ 17,15 bilhões no segundo trimestre, resultado que inclui uma provisão, antes de impostos, de US$ 32,2 bilhões para cobrir os custos atuais e futuros relacionados ao vazamento de óleo no Golfo do México. A companhia também nomeou Robert Dudley como novo executivo-chefe, substituindo Tony Hayward. O Barclays Capital subiu 7,57%, o HSBC avançou 2,62% e o Lloyds ganhou 8,79%. A Randgold Resources perdeu 3,96%.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em alta de 0,83%, em 3.666,40 pontos. O setor bancário também foi o destaque. O Société Générale ganhou 10,58%, o BNP Paribas teve alta de 5,49%, o Axa avançou 6,74% e o Crédit Agricole subiu 10,17%. Entre as ações que terminaram o dia em queda, a mineradora Arcelor Mittal recuou 1,36%. A Danone perdeu 4,25%. Seu lucro líquido no primeiro semestre caiu 10%, para ¿ 838 milhões, com o custo mais alto das commodities pesando nas margens operacionais.

O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, terminou com alta de 1,62%, em 21.158,08 pontos. A Banca Popolare di Milano subiu 4,81%; a seguradora Fondiaria SAI teve alta de 4,39%; o Unicredito Italiano ganhou 5,62%. A Ansaldo Energia caiu 8,26%, pois cortou a previsão de novas encomendas e a margem de EBIT (lucro antes do pagamento de juros e impostos) para 2010.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em elevação de 1,32% em 10.645,00 pontos. Os bancos mais uma vez lideraram a alta, com o prêmio de risco da Espanha, uma medida do spread entre o yield (taxa de retorno) dos bônus do país e os da Alemanha, continuando a cair após o resultados dos testes de estresse. A Banesto Bolsa disse que os resultados devem impulsionar a confiança, especialmente no sistema bancário espanhol, "por causa da maior extensão dos testes e as informações mais completas", fornecidas pelo país. O Banco Popular teve alta de 7,68%, mesmo divulgando queda de 31% no lucro líquido no segundo semestre. O BBVA fechou com ganho de 4,76% e o Banco de Sabadell teve alta de 4,18%.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em alta de 1,23%, em 7.381,56 pontos. O Banco Comercial Português subiu 4,62% e o Banco Espírito Santo 4,00%. A Portugal Telecom teve alta de 2,47%. O grupo Teixeira Duarte perdeu 1,02%. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.