Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Bolsas europeias fecham sem tendência definida após indicadores

SÃO PAULO - As bolsas europeias fecharam em direções opostas nesta quarta-feira, influenciadas por indicadores da economia da região e dos Estados Unidos. Em Londres, o FTSE 100 perdeu 0,19%, para 5.386 pontos; em Paris, o CAC 40 subiu 0,35%, aos 3.

Valor Online |

761 pontos; e em Frankfurt, o DAX fechou em alta de 0,37%, aos 6.331 pontos. Os investidores analisaram hoje os pedidos de empréstimos imobiliários nos Estados Unidos, que cresceram 1,3% na semana encerrada em 30 de julho, com ajuste sazonal, recuperando-se de uma queda de 4,4% observada na semana anterior. Outro dado da economia americana divulgado hoje foi o de emprego, com criação de 42 mil postos de trabalho em julho, segundo levantamento da ADP, empresa que processa folha de pagamentos. A empresa também revisou o dado de junho, com 19 mil postos criados, ante a previsão anterior, de 13 mil empregos. Já as vendas no varejo da zona do euro ficaram estáveis em junho na comparação com maio e subiram 0,4% perante o mesmo mês de 2009. Na União Europeia (UE), houve ligeira alta de 0,1% na comparação mensal e de 0,6% no confronto anual. Apesar disso, as ações da varejista britânica Next caíram 7,7% após a confirmar afirmar que notou um arrefecimento na demanda dos consumidores. Ainda entre os indicadores do dia, a atividade no setor de serviços da zona do euro mostrou expansão em julho, com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) alcançando 55,8 pontos, ante os 55,5 apurados em junho. De acordo com o instituto de pesquisas Markit, este é o décimo-primeiro mês de crescimento do indicador. A recuperação do setor de serviços na região vem sendo liderada por França e Alemanha. A atividade também mostrou expansão, porém mais contida, na Espanha e na Irlanda em julho, enquanto recuou na Itália pela primeira vez desde novembro. As ações da Electricité de France, maior companhia de energia da Europa, dispararam 5,5% depois que o governo francês concordou em elevar as tarifas da companhia. Ainda na França, o Société Générale subiu 0,7% depois de anunciar lucro líquido de 1,08 bilhão de euros nos três meses terminados em junho, o triplo do registrado no mesmo período do ano passado. Vale lembrar que o resultado de 2009 foi afetado por baixas contábeis e perdas com empréstimos ruins. Já o espanhol Santander anunciou a compra de 318 filiais do Royal Bank of Scotland (RBS) na Inglaterra e no País de Gales, incluindo sete unidades do NatWest na Escócia, um negócio avaliado em US$ 558 milhões. O preço total da venda, no entanto, só será informado no fim do próximo ano, quando a operação deve ser concluída. Os papéis do Santander recuaram 0,3% e os do RBS subiram 0,1%. (Téo Takar | Valor, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG