Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Bolsas europeias fecham sem tendência; ações de tecnologia avançam

SÃO PAULO - Depois de meia dúzia de altas, as bolsas europeias fecharam sem tendência nesta quarta-feira. Em Londres, o FTSE 100 recuou 0,33%, para 5.

Valor Online |

254 pontos; em Frankfurt, o DAX terminou em alta de 0,30%, aos 6.210 pontos; e em Paris, o CAC-40 teve negócios apesar do feriado nacional, fechando em baixa de 0,13%, aos 3.633 pontos. Entre os indicadores do dia, o mercado avaliou a inflação anual na zona do euro, que reduziu o ritmo de alta em junho para 1,4%, contra 1,6% um mês antes. Na União Europeia, a inflação anual também teve leve desaceleração, para 1,9% em junho, após os 2% de maio. Já a produção industrial cresceu 0,9% na zona do euro em maio, após aumento da mesma ordem um mês antes. Na União Europeia, a expansão foi de 1%, o dobro da apurada em abril (0,5%). Um dia depois de a Moody ' s reduzir a nota soberana de Portugal, de Aa2 para A1, o país conseguiu levantar 1,68 bilhão de euros em leilão de dívida, que contou com forte demanda. A agência de administração da dívida pública de Portugal informou que vendeu 877 milhões de euros em bônus de 2 anos e 803 milhões de euros em bônus de 9 anos. A taxa de retorno para os bônus mais longos foi de 5,30%, acima da rentabilidade 5,23% nos bônus de 10 anos ofertados em leilão no mês passado. A taxa de retorno para os títulos de 2 anos saltou para 3,16%, ante o 1,72% em abril. Entre os indicadores dos EUA, os investidores analisaram as vendas no varejo dos EUA declinaram 0,5% em junho, na comparação com um mês antes, mas tiveram alta de 4,8% perante o sexto mês de 2009. O volume de pedidos de empréstimos imobiliários diminuiu 2,9% na semana encerrada em 9 de julho, perante uma semana antes, com ajuste sazonal. O resultado inclui um ajuste por causa do feriado Dia da Independência, em 4 de julho. A pesquisa da Mortgage Bankers Association (MBA) mostrou que, sem ajuste, o indicador declinou 12,6% no mesmo período. O bom resultado apresentado ontem pela Intel ajudou a impulsionar os papéis do setor de tecnologia. A fabricante americana de chips para computador teve lucro de US$ 2,89 bilhões no segundo trimestre fiscal, revertendo o prejuízo de US$ 398 milhões registrado um ano antes. A receita chegou a US$ 10,8 bilhões, com crescimento de 34%. As ações da Infineom terminaram em alta de 2,4% e as da STMicroelectronics, concorrente direta da Intel, avançaram 2,3%. As ações da BP recuaram 2,3% depois que a companhia adiou os testes para tentar tapar o vazamento de petróleo no Golfo do México. (Téo Takar | Valor, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG