Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Bolsas europeias fecham o dia em queda

As Bolsas europeias fecharam o dia em queda, interrompendo uma sequência de nove sessões de ganhos no índice pan-europeu Stoxx Europe 600, em meio a receios sobre a exposição de bancos franceses à Grécia e a outros países da zona do euro

AE |

As Bolsas europeias fecharam o dia em queda, interrompendo uma sequência de nove sessões de ganhos no índice pan-europeu Stoxx Europe 600, em meio a receios sobre a exposição de bancos franceses à Grécia e a outros países da zona do euro. Hoje, o Reino Unido também anunciou medidas para controlar seu déficit orçamentário.

O índice Stoxx Europe 600 recuou 0,49%, para 256,92 pontos, depois de ter fechado ontem no seu nível mais alto desde 3 de maio. Em Londres, o índice FTSE-100 encerrou a sessão em queda de 0,98%, aos 5.246,98 pontos. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 caiu 0,83%, para 3.705,32 pontos. O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, caiu 0,38%, para 6.269,04 pontos. Na Bolsa de Madri, o índice IBEX 35 caiu 0,55%, para 10.016,10 pontos.

"O foco está de novo na crise da dívida da Europa e no setor bancário", disseram analistas do Danske Bank. Em Paris, as ações do BNP Paribas caíram 1,93%, depois que a agência Fitch rebaixou o rating (classificação de risco) do banco francês em um grau, para AA-. A agência disse que tomou a decisão devido a assuntos estruturais relacionados ao conjunto de negócios do banco, que depende fortemente das unidades corporativas e de investimento. A Fitch também citou uma deterioração na qualidade dos ativos em 2009.

As ações do Credit Agricole caíram 4,72%, após o banco informar que sua unidade na Grécia não terá lucro até 2012, devido a crescentes perdas com empréstimos. Anteriormente, esperava-se que a unidade grega não apresentasse lucro até 2011. As ações de bancos gregos também caíram, com o Alpha Bank recuando 4,6% e o EFG Eurobank Ergasias caindo 4,1%.

Hoje, o ministro de Finanças do Reino Unido, George Osborne, anunciou cortes de gastos e aumentos de impostos que vão reduzir em 40 bilhões de libras (US$ 60 bilhões) por ano fiscal os gastos do governo até 2015. O novo orçamento vai eliminar o déficit estrutural do país até o fim da atual legislatura.

"O orçamento de emergência hoje foi um pouco menos severo do que se temia", disse Douglas McWilliams, economista do Centro de Pesquisas Econômicas e Empresariais. Entre as medidas anunciadas está o aumento no imposto sobre valor agregado (VAT, na sigla em inglês) de 17,5% para 20,0%. A elevação ocorrerá apenas a partir de 4 de janeiro e não deve prejudicar as redes varejistas durante a temporada de compras de fim de ano, afirma Richard Lowe, diretor de varejo e atacado do Barclays Corporate.

O segmento de petróleo e gás sofreu pressão em Londres, após o BG Group ter a recomendação de suas ações rebaixada para "neutra" pelo Goldman Sachs. A companhia fechou em baixa de 3,64%. Os papéis da British Petroleum (BP) caíram 4,38%, passando a acumular perdas de 48% desde 19 de abril - data que marca a véspera da explosão da plataforma Deepwater Horizon, que causou o enorme vazamento de petróleo no Golfo do México.

As ações da Carnival caíram 5%, depois que a operadora de cruzeiros disse que o lucro líquido do segundo trimestre caiu para US$ 252 milhões, de US$ 264 milhões. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: ECONOMICO-ECONOMIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG