As principais bolsas de valores da Europa fecharam em baixa, mas perto da estabilidade, com as ações recuperando-se no fim da sessão de hoje após a divulgação de dados melhores do que o esperado sobre o setor de moradia nos Estados Unidos. As vendas pendentes de imóveis residenciais usados nos EUA subiram 6,0% em abril ante março, para 110,9, à medida que os compradores aproveitaram um incentivo fiscal do governo, segundo a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês).

As principais bolsas de valores da Europa fecharam em baixa, mas perto da estabilidade, com as ações recuperando-se no fim da sessão de hoje após a divulgação de dados melhores do que o esperado sobre o setor de moradia nos Estados Unidos. As vendas pendentes de imóveis residenciais usados nos EUA subiram 6,0% em abril ante março, para 110,9, à medida que os compradores aproveitaram um incentivo fiscal do governo, segundo a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês). O aumento foi o terceiro consecutivo e superou as expectativas dos analistas, que eram de ganho de 5,0%.

A Portugal Telecom teve valorização de 1,54%. A espanhola Telefónica, cujos papéis hoje subiram 0,80%, elevou de 5,7 bilhões de euros para 6,5 bilhões de euros uma oferta para a compra da participação de 50% da companhia portuguesa na brasileira Vivo. A oferta quase iguala a capitalização de mercado da Portugal Telecom, que era de 7,7 bilhões de euros hoje.

Apesar de tanto a Portugal Telecom quanto a Telefónica terem fechado em alta, as bolsas de valores de Madri e de Lisboa registraram perdas. Em Lisboa, o índice PSI-20 recuou 0,65%, fechando em 7.055,02 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 recuou 0,34%, encerrando a sessão em 9.268,00 pontos. Na bolsa de Milão, o índice FTSE MIB caiu 0,50%, terminando o pregão em 19.183,13 pontos.

Já o índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 0,02%, fechando em 245,40 pontos depois de ter registrado tênues altas nas sessões de ontem e anteontem. Em Frankfurt, o índice Dax encerrou o pregão estável, a 5.981,20 pontos. Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 caiu 0,23%, terminando a sessão em 5.151,32 pontos. O índice CAC-40, da bolsa de Paris, cedeu 0,05%, fechando em 3.501,50 pontos.

As ações da British Petroleum, que ontem fecharam em queda de mais de 13% e hoje chegaram a cair mais de 2% durante o dia, terminaram a sessão em queda de apenas 0,06%. O governo norte-americano, ainda em busca de uma resposta ao pior desastre ambiental da história dos Estados Unidos, abriu ontem investigações cíveis e criminais para apurar responsabilidades pelo vazamento iniciado depois da explosão de uma plataforma da BP no Golfo do México em abril.

Outras ações do setor petrolífero tiveram perdas mais acentuadas, especialmente na área de prestação de serviços. Os papéis da Petroleum Geo-Services caíram 1,86% e os da Technip recuaram 3,30%. As mineradoras também recuaram, com as ações da Anglo American fechando em queda de 2,12% com o declínio dos preços dos contratos futuros de metais. "Há muita volatilidade econômica. De um lado está o custo baixo do dinheiro, o que puxa em uma direção. Do outro lado há a consolidação fiscal, puxando para a outra direção", observou Edmund Shing, estrategista do Barclays Capital.

Os bancos, alavancados a perspectivas de crescimento econômico, também tiveram desempenho fraco hoje. Os papéis do Société Générale caíram 0,97% e os do Credit Agricole cederam 1,26%. "Creio ser provável que o mercado caia no curto prazo porque a análise técnica não parece boa; será difícil contornar a onda econômica no curto prazo e parece que as pessoas não estão querendo ir atrás de barganhas", avaliou Shing.

Enquanto isso, os papéis da Prudential caíram 2,52% depois de a companhia ter informado que está se retirando das negociações para comprar o AIA Group, braço de seguros de vida na ¿?sia do American International Group. A saída das negociações custará à Prudential cerca de 450 milhões de libras, informou a companhia. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.