Alguns mercados se pautaram pelos fracos números econômicos de EUA e China, outras se beneficiaram com caçadores de ofertas

Os mercados asiáticos apresentaram sinais distintos nesta sexta-feira. Enquanto algumas bolsas da região se pautaram pelos fracos números econômicos de Estados Unidos e China, outras se beneficiaram com a presença dos caçadores de ofertas. A Bolsa de Hong Kong foi atingida pelo sentimento baixista. O índice Hang Seng caiu 223,67 pontos, ou 1,1%, e terminou aos 19.905,32 pontos - na semana, o índice acumulou perda de 3,8%.

Após sete sessões seguidas de queda, a Bolsa de Xangai, na China, fechou em ligeira elevação. A presença de investidores em busca de ofertas de ocasião no setor imobiliário e bancário reverteu as perdas do início do pregão, causadas por declínio nos preços das commodities de ouro e metais. O índice Xangai Composto subiu 0,4% e encerrou aos 2.382,90 pontos - na semana, o índice acumulou baixa de 6,8%. Já o Shenzhen Composto recuou 0,6% e terminou aos 925,68 pontos. China Vanke avançou 3,7%.

O yuan chinês atingiu sua maior cotação contra o dólar na era moderna depois que o banco central da China fixou a paridade central dólar-yuan numa mínima recorde. Segundo os traders, a modesta porém constante apreciação da moeda chinesa - de 0,28% nesta semana e 0,53% na semana passada - indica que Pequim pode ter desejado uma moeda mais forte, além de maior flexibilidade na taxa de câmbio, quando o banco central removeu a âncora do yuan em relação ao dólar, no dia 19 de junho. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado a 6,7711 yuans, ultrapassando o recorde de alta anterior da era moderna de 6,7810 yuans do fechamento de quinta-feira.

Já a Bolsa de Taipé, em Taiwan, se recuperou com os caçadores de barganha depois de três baixas consecutivas. O índice Taiwan Weighted subiu 1,1% e fechou aos 7.330,74 pontos. Os investidores de varejo buscaram foco nos bancos locais.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul recuou 0,9% e terminou aos 1.671,82 pontos. Os investidores realizaram lucros com ações de companhias aéreas, empresas de transporte marítimo e fabricantes de componentes eletrônicos de média capitalização, que haviam tido ganhos substanciais em junho com a expectativa sobre seus balanços.

Na Austrália, a despeito do acordo entre o governo e as principais mineradoras em torno do novo imposto sobre essas empresas, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney devolveu os ganhos iniciais e fechou praticamente estável, com alta de apenas 0,03%, fechando aos 4.238,7 pontos.

Nas Filipinas, o índice PSE da Bolsa de Manila recuou 0,7% e encerrou aos 3.290,98 pontos.

A Bolsa de Cingapura fechou em ligeira alta, com os investidores à busca de papéis em oferta. O índice Straits Times subiu 0,8% e fechou aos 2.844,19 pontos. Segundo traders e analistas, contudo, essa alta não refletiu apetite por risco, uma vez que o mercado está esperando pelos dados do emprego nos EUA em junho, a serem divulgados hoje.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,1% e fechou aos 2.871,55 pontos, com os fundos estrangeiros vendendo papéis relacionados a indústrias de produtos de consumo e setor financeiro depois de uma alta da inflação acima das expectativas, o que elevou as preocupações de uma alta da taxa de juros em julho.

Na Tailândia, o índice SET da Bolsa de Bangcoc subiu 0,7% e fechou aos 802,57 pontos, com destaque para os papéis de bancos, com expectativa de resultados positivos nos balanços do segundo trimestre, enquanto o setor de telecomunicações continuou a encontrar suporte devido ao otimismo de que as licenças 3G finalmente serão postas em leilão este ano.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, recuou 0,1% e fechou aos 1.307,44 pontos, com os negócios seguindo mistos em uma margem apertada. Papéis de tecnologia atraíram caçadores de ofertas, mas ações de maior risco tiveram baixa após o governo impor maior responsabilidade nas apostas. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.