Melhoria das notícias da Europa ajudou na valorização do Ibovespa e fez o euro ocupar a segunda posição no mês, com 3,79%

O Ibovespa, o índice que mede a variação dos preços das ações mais negociadas na BM&FBovespa, liderou o ranking das aplicações no mês de julho. Com a alta registrada nesta sexta-feira, de 0,84% (a décima seguida), a Bolsa brasileira acumulou uma valorização de 10,80%. “O mês foi da Bolsa”, resume Flávio Serrano, economista-sênior do Banco Espírito Santo. A segunda colocação entre os ativos que mais subiram no mês ficou com o euro, com alta de 3,79%.

“Quando há melhoria nas taxas de risco, com a redução das incertezas na Europa, há um movimento de valorização do euro e da Bolsa”, explica Serrano. Ele lembra que as notícias do segmento corporativo, principalmente nos Estados Unidos, com a divulgação de balanços com dados melhores que os esperados pelos analistas, contribuíram para a melhora do desempenho das Bolsas norte-americanas e, consequentemente, da Bovespa.

Fabio Colombo, administrador de investimentos, lembra que o Ibovespa veio de dois meses de desempenhos negativos e teve uma evolução por conta da melhora das notícias sobre as economias da Europa, dos Estados Unidos e da China. “Foi uma correção técnica, em função das notícias.” No acumulado do ano, o indicador da Bolsa ainda está negativo em 1,56%.

Confira a variação dos investimentos

Dados do mês de julho, em variação %

Gerando gráfico...
Fabio Colombo

Colombo avalia que é difícil fazer previsões para a Bolsa no curto prazo. Ela pode continuar subindo. Depende apenas das notícias do exterior. “Acho, no entanto, que o patamar da Bolsa está alto. É preciso cautela por parte do investidor”, diz. “Não me surpreendo se houver alguma realização de lucros no custo prazo.” Realização de lucros seria um movimento de venda por parte dos investidores que consideram ter obtido bons ganhos, o que levaria o Ibovespa para baixo.

Segundo Colombo, os fundos de renda fixa encerraram o mês com rendimento entre 0,65% e 0,95%, enquanto a média dos fundos DI proporcionou ao aplicador ganhos entre 0,60% e 0,90%. A caderneta de poupança com aniversário em 1º de agosto fechou com rendimento líquido de 0,62%.

No terreno negativo, o dólar fechou o mês com queda de 2,72%, enquanto o ouro caiu 3,91%. O metal, no entanto, acumula no ano uma alta de 14,84%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.