Rio de Janeiro, 29 set (EFE).- A Bolsa de Valores conjunta de Peru, Colômbia e Chile, que começará a operar de forma integrada em novembro, será a segunda da América Latina em valor de mercado, atrás apenas da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), informou hoje a empresa de consultoria Economática.

Rio de Janeiro, 29 set (EFE).- A Bolsa de Valores conjunta de Peru, Colômbia e Chile, que começará a operar de forma integrada em novembro, será a segunda da América Latina em valor de mercado, atrás apenas da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), informou hoje a empresa de consultoria Economática. A bolsa integrada dos três países andinos, no entanto, será a 3ª da região por volume financeiro negociado diariamente, de acordo com o estudo divulgado hoje no Brasil. Segundo a empresa de consultoria, o maior pregão da América Latina em valor de mercado continuará sendo o da Bovespa (US$ 1,373 trilhão), que será seguida por de Peru-Colômbia-Chile (US$ 594,859 milhões), México (US$ 437,076 bilhões), Buenos Aires (US$ 66,424 bilhões) e Caracas (US$ 2,575 bilhões). Atualmente, a Bovespa lidera, seguida por México, e depois, individualmente, pelas bolsas de Chile (US$ 301,585 bilhões), Colômbia (US$ 193,722 bilhões) e Peru (US$ 99,552 bilhões). Em relação ao volume financeiro médio negociado diariamente, a nova bolsa ficará em 3º lugar na região, atrás da Bovespa e do México, destacou a Economática, que utilizou como referência os negócios diários de setembro. Segundo a classificação, as bolsas com maior volume de negócios da América Latina são Bovespa (US$ 3,324 bilhões), México (US$ 608,7 bilhões), Peru-Colômbia-Chile (US$ 334,4 bilhões), Buenos Aires (US$ 13,3 bilhões) e Caracas (US$ 300 mil). Individualmente, a Bolsa de Santiago já era a terceira em volume negociado diariamente, com 218,7 milhões, seguida pelas de Bogotá (US$ 98,7 milhões) e Lima (US$ 16,9 milhões). Entre as empresas que terão ações negociadas na nova bolsa, a de maior valor de mercado será a petrolífera colombiana Ecopetrol (US$ 81,634 bilhões), seguida por Copec (US$ 24,181 bilhões), Falabella (US$ 23,711 bilhões), Banco Santander Chile (US$ 17,814 bilhões), Enersis (US$ 15,444 bilhões), Endesa (US$ 15,019 bilhões) e Cencosud (US$ 14,948 bilhões). A integração das operações das três bolsas a partir de 22 de novembro foi anunciada ontem pelo presidente da bolsa do Peru, Roberto Hoyle. EFE cm/abb-tf

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.