Publicidade
Publicidade - Super banner
Mercados
enhanced by Google
 

Bancos gastam pouco para atrair baixa renda

Os bancos têm, de maneira geral, optado por alternativas de menor custo na hora de lidar com o público de baixa renda

Aline Cury Zampieri e Olívia Alonso, iG São Paulo |

Egberto Nogueira/Imã Foto Galeria
Bradesco tem agência em barco no Solimões
Desde dezembro, 210 mil ribeirinhos do Amazonas passaram a contar com uma agência bancária. O Bradesco abriu uma agência fluvial, que percorre 1.600 quilômetros no Amazonas, passando por 50 comunidades ribeirinhas. O atendimento é feito por uma gerente e os clientes podem abrir contas, realizar saques, depósitos, transferências, pagar contas, solicitar empréstimos, recarregar celular e obter cartão de crédito.

O investimento do Bradesco, no entanto, tem sido exceção à regra. Os bancos têm, de maneira geral, optado por alternativas de menor custo na hora de lidar com o público de baixa renda. Na maioria das vezes, a estratégia de fidelização começa em parcerias com correspondentes bancários, que são qualquer empresa que atue como intermediadora entre a população e as instituições e cujo custo de manutenção é pequeno.

No fim de 2009, existiam 20 mil agências bancárias no País, número que representa alta de 5% com relação ao ano anterior, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Já os correspondentes _redes de varejo, de supermercado, de móveis, de farmácias, lotéricas e correios, por exemplo_ tiveram aumento de 39%, para quase 150 mil credenciados.

Agência Estado
Lotéricas atuam como correspondentes
O crescimento pode ser explicado pela adoção em massa desse tipo de serviço pela população de baixa renda. Segundo o Centro de Estudos em Microfinanças (GVcemf), entre a população brasileira com renda familiar de até R$ 1 mil, cerca de 70% das transações são realizadas por meio dos correspondentes.

 

Aymoré lidera, seguida por Bradesco

Nesse segmento, a líder de mercado em número de correspondentes é a Aymoré Financiamentos, que pertencia ao banco Real, hoje nas mãos do Santander. No início de fevereiro, a Aymoré tinha 32,4 mil correspondentes e, o Bradesco, com 26,1 mil, segundo o Banco Central (BC). A Caixa Econômica Federal era a terceira colocada, com 23,6 mil, seguida pelo Banco do Brasil (BB), com 7,3 mil. 


 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG