Tamanho do texto

Auditoria é necessária para que ações da empresa voltem a ser negociadas

A Agrenco diz estar preparada para concluir, em até 120 dias, a contar do início dos trabalhos pelo auditor, suas demonstrações financeiras ainda pendentes até o último trimestre de 2009. A informação consta de comunicado enviado ao mercado pela empresa há pouco, explicando o que ainda falta para que consiga a liberação da negociação com suas ações, suspensa pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A Agrenco Ltd. é uma companhia de serviços integrados que atua nos setores de agronegócio e biocombustível em âmbito mundial.

A situação da auditoria das demonstrações financeiras da Agrenco levou também à suspensão, pelo órgão regulador, de seu registro de companhia aberta. O último balanço auditado entregue à CVM refere-se ao 1º trimestre de 2008. De acordo com a empresa, a KPMG “se encontra no pleno exercício dos trabalhos necessários à conclusão dos mesmos”.

A Agrenco diz que vem se reunindo com representantes da KPMG para encerrar quaisquer pendências “e reconstituir hiatos de informação e documentação de natureza contábil”, inclusive as arrestadas pela ação policial em 20 de junho de 2008 sobre a empresa.

A Polícia Federal prendeu naquela data dois funcionários da Agrenco acusados de desvio de recursos da empresa. Entre as acusações que pesam sobre os envolvidos no esquema estão sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, falsidade ideológica, remessa ilegal de dinheiro ao exterior e corrupção ativa e passiva.

Em reunião realizada em 22 de março, a empresa ratificou à KPMG sua expectativa de ver cumprido na plenitude o contrato de auditoria em vigor para junho de 2008 e acatou o pleito da auditoria de se reservar a prerrogativa de repactuar, ou não, o contrato de auditoria para os períodos subseqüentes.

Fábricas e recuperação

No comunicado de hoje, a empresa traz informações sobre o andamento da construção de suas fábricas. Afirma que estão em fase final de conclusão as fábricas de Alto Araguaia e Caarapó, tendo 93% e 85% dos trabalhos concluídos respectivamente, até agora.

Diz ainda que todas as obrigações contidas em seu plano de recuperação judicial estão sendo rigorosamente cumpridas.

Glencore e Exterior

A companhia diz também que não tem condições de cumprir o contrato de prestação de serviços no qual se obrigava a investir US$ 30 milhões em capital de giro e a Glencore a complementar conforme necessidade, até o montante de US$ 50 milhões adicionais, para garantir a máxima eficiência operacional às operações da empresa.

Sobre as empresas no exterior, afirma que, no balanço de março de 2008, a estrutura societária da Agrenco Ltd compreendia outras 27 empresas, das quais 20 com sede no exterior. Destas, sete não eram controladas integrais da Agrenco (SOGO, Agrenco UK, Denofa e suas controladas.), tendo sido estas participações alienadas pela Agrenco NV, que as detinha.

No contexto das dificuldades financeiras da Agrenco, todas as empresas controladas integrais no exterior tornaram-se não operacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.