Tamanho do texto

São Paulo, 30 jun (EFE).- As ações da operadora brasileira de telefonia celular Vivo caíram mais de 2% na primeira hora de cotação na bolsa de São Paulo, após o veto do Governo português à milionária oferta que a Telefónica fez a participação que Portugal Telecom (PT) possui na companhia.

São Paulo, 30 jun (EFE).- As ações da operadora brasileira de telefonia celular Vivo caíram mais de 2% na primeira hora de cotação na bolsa de São Paulo, após o veto do Governo português à milionária oferta que a Telefónica fez a participação que Portugal Telecom (PT) possui na companhia. Os títulos preferenciais da Vivo, a maior operadora de telefonia celular do Brasil, caíram hoje até 2,43% com relação ao fechamento de terça-feira no índice Ibovespa. O Estado português usou hoje seu direito especial como acionista da Portugal Telecom (PT) para rejeitar a venda para a espanhola Telefónica, por 7,150 bilhões de euros, de 30% do controle da companhia portuguesa pela brasileira Vivo. A votação geral da assembleia de acionistas foi propícia à operação, segundo informou o presidente do sindicato dos trabalhadores da PT, Jorge Manuel Félix, presente na reunião, realizado a portas fechadas. A decisão do Governo socialista do primeiro-ministro José Sócrates, causou uma grande surpresa entre os acionistas, dada a oposição que manifestou Bruxelas a posse das ações estatais com direitos especiais e mais ainda a sua utilização prática. Sócrates, que se mostrou contrário à venda da Vivo, não tinha revelado se usaria a ação de ouro para vetá-la, mas na semana passada disse que tinha dado instruções a um dos principais acionistas da PT, a estatal Caixa Geral de Depósitos (7,3%) para que votasse com suas ações ordinárias contra a operação. O líder da oposição lusa, Pedro Passos Coelho, do Partido Social Democrata (PSD) se opôs que a PT vendesse o ativo considerado fundamental para seu futuro. O resultado da votação de hoje, tão propício à oferta da Telefónica foi também uma surpresa, porque mostrou que uma parte do chamado "núcleo duro" de acionistas portugueses, contrários à venda, acabou de sucumbir à última oferta, que até ontem era de 6,5 bilhões de euros. Com a presença de acionistas inferior a previsão, ganha força o "núcleo duro" português da companhia, que controla diretamente um quarto dos títulos e hoje poderiam frustrar a operação ao decidi-la só 62% das ações. Telefónica e outros dois acionistas da Portugal Telecom (PT) não puderam votar na assembleia por conflito de interesses. A Presidência da reunião anunciou que no total foram excluídas 6% das ações, correspondentes a Telefónica e a duas entidades, Société Générale e Mediobank, que participaram da alienação de títulos da PT que fez a companhia espanhola na semana passada. Telefónica se desfez em 23 de junho dos títulos e ficou com 2,02% da PT, o que o mercado considerou uma tentativa de evitar que as ações fossem excluídas da votação de hoje por conflito de interesses. EFE mb/pb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.