Petróleo recua, afetado por dados industriais da China

O contrato do petróleo para novembro subia 0,47%, para US$ 91,76 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex) e contrato do petróleo Brent pra novembro declinava 0,63%, para US$ 111,68 o barril, na plataforma ICE, em Londres

Agência Estado |

Agência Estado

Os contratos futuros do petróleo operam em queda, em meio ao ressurgimento de temores sobre a força de demanda da China, que é a condutora de grande parte do crescimento da demanda mundial por combustível.

Embora os dois principais contratos de petróleo, o WTI e o Brent, divergirem em meio a cenários de abastecimento diferentes, ambos recuaram nesta segunda-feira após a divulgação de dados do setor manufatureiro da China.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da China, medido pela Federação Chinesa de Logística e Compras (CFLP, na sigla em inglês) em conjunto com o Escritório Nacional de Estatísticas, subiu para 49,8 em setembro em comparação com a leitura final de 49,2 em agosto.

O número, contudo, ficou abaixo da previsão média de 50,2 de 11 economistas consultados pela Dow Jones. Embora a leitura de setembro tenha sido ligeiramente melhor em relação à do mês anterior, após quatro quedas consecutivas, o PMI mostrou contração pelo segundo mês seguido

Às 7h40 (de Brasília), o contrato do petróleo para novembro subia 0,47%, para US$ 91,76 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). O contrato do petróleo Brent pra novembro declinava 0,63%, para US$ 111,68 o barril, na plataforma ICE, em Londres.

Apesar do impacto dos dados chineses sobre a commodity, analistas estão divididos sobre as implicações de longo prazo para o mercado de petróleo. Enquanto o Eurasia Group disse que "as preocupações sobre uma queda na demanda chinesa de petróleo este ano são provavelmente exageradas", analistas do Société Générale afirmaram que uma desaceleração sustentada no setor industrial da China "pode adicionar pressão sobre o preço do petróleo".

Qualquer alta do petróleo Brent também está sendo limitada por preocupações sobre a demanda na Europa, em meio a desconforto com as medidas de austeridade na Grécia e na Espanha, apesar de a commodity estar recebendo suporte de embarques menores do que o esperado do Mar do Norte para outubro e as preocupações contínuas sobre o Irã, disse Stephen Schork, analista da Schork Report.

Segundo ele, o contrato do petróleo WTI deve estar sendo afetado por temores sobre excesso de demanda. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: ECONOMIAenergiamercadopetróleo

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG