Itaú Unibanco projeta juro máximo de 9,9% ao mês no cartão até o fim do ano

Roberto Setubal, presidente do banco, diz que estratégia é diferente daquela adotada pelo rival Bradesco e que carro-chefe é o cartão 2.0, que cobra juro de 5,99% ao mês

Olivia Alonso - iG São Paulo | - Atualizada às

O Itaú Unibanco terá taxa de juros de no máximo um dígito até o final deste ano em todos os cartões, tanto para correntistas como para quem não tem conta no banco, disse nesta terca-feira Roberto Setubal, presidente da instituição financeira.

Leia mais: Itaú Unibanco investirá R$ 10,4 bilhões em tecnologia

Até o final de setembro, a taxa máxima para correntistas já será de 9,9% ao mês e, aos poucos, este nível será replicado a todos os cartões, segundo o executivo. Atualmente, o juro máximo do banco é de 13,9% para os não correntistas.

Setubal explica, entretanto, que os 9,9% de juros não são a melhor alternativa que o banco oferece e que atualmente 60% dos usuários de cartões que não pagam toda a fatura, e optam pelo parcelamento da dívida, operação que carrega um juro médio de 5% ao mês. Os outros 40% entram no rotativo do cartão. "Hoje, qualquer cliente de cartão Itaú, incluindo os dos cartões Pão de Açúcar, TAM, Marisa e Ponto Frio, por exemplo, podem parcelar a fatura," afirma.

Mesmo com a redução da taxa de juros para um dígito, o presidente do Itaú coloca como "carro-chefe" o Itaucard 2.0, produto lançado há cerca de dois meses com juro de 5,99% ao mês. Segundo o banco, já foram emitidas 300 mil unidades.

Questionado sobre a continuidade dos cortes de juros do cartão para o mesmo nível anunciado  pelo Bradesco, Setubal disse que a estratégia do Itaú é diferente daquela do concorrente, que o banco possui alternativas mais baratas e continuará a incentivar a mudança de perfil de crédito rotativo para parcelamento de faturas.

Lucratividade

O presidente do Itau Unibanco, disse nesta terca-feira que "não existe mágica" para que o banco consiga manter sua rentabilidade em um cenário de queda de juros no Brasil. "O Itaú Unibanco gasta R$ 35 bilhões por ano só para abrir as portas", disse o executivo, que aposta na eficiência para que este custo diminua em relação às receitas.

Setubal coloca a rentabilidade atual do Itau Unibanco em 16%, enquanto, segundo ele, o custo de capital do mercado, hoje, é de 14,5%. "Nossa rentabilidade está um pouco acima do custo de capital e, como em qualquer atividade, ela acompanha o custo de capital," declarou.

Segundo o executivo, entre os esforços por mais eficiência esta a integração de plataformas do banco para o processamento de cartões, que passou de sete para apenas uma plataforma.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG