RIO - O tom negativo continua dominando os negócios nos mercados brasileiros. A queda nas commodities pesa sobe as ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e influi também na formação da taxa de câmbios e nos juros futuros.

Ontem, a jornada em Wall Street foi instável. O petróleo apontando para baixo e as encomendas à indústria subindo mais do que o esperado não foram suficientes para segurar os investidores na ponta compradora. Depois de oscilar entre ganhos e perdas, o Dow Jones fechou com leve alta de 0,14%, enquanto a bolsa eletrônica Nasdaq caiu 0,66%.

Na quarta-feira, o CRB, um dos mais relevantes índices de commodities, voltou a cair, e já acumula perda de 20% desde o pico atingido em 2 de julho. Vale lembrar que essa baixa acontece depois de o índice registrar o semestre de maior valorização da história, com ganhos de quase 30%.

A queda constante no preço das commodities continua influindo sobre o Ibovespa, já que mais de 50% de sua composição é de empresas relacionadas às matérias-primas. Na quarta-feira, o Ibovespa cedeu 1,61%, para 53.527 pontos, mas o giro financeiro foi elevado, superando os R$ 5 bilhões pela primeira vez desde 12 de agosto (desconsiderando o vencimento do Ibovespa futuro).

O destaque do pregão ficou com a ação PNA da Vale, que movimentou quase R$ 1 bilhão. Pela manhã, o papel subiu forte depois que surgiram notícias de que a mineradora teria emplacado um aumento de 20% no preço de minério de ferro vendido para a Ásia, após o a elevação de preço acertada no início do ano. À tarde, a própria mineradora desmentiu a história e ação encerrou com decréscimo de 0,65%, a R$ 36,65.

No câmbio, os investidores aproveitam essa nova rodada de declínio nas commodities e apreciação do dólar para mudar as apostas no mercado futuro, passando a apostar contra o real. Isso ajuda a explicar valorização de 3,4% acumulada nos últimos 5 dias.

Depois de cair a R$ 1,660 na mínima, o dólar comercial encerrou negociado a R$ 1,675 na compra e R$ 1,677 na venda, com elevação de 0,72%.

Na roda de pronto da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), a moeda subiu 0,77%, a R$ 1,676. O volume financeiro somou US$ 226,75 milhões.

Uma forma de compreender como as operações de mercado futuro influem no câmbio à vista é observar o saldo cambial. Com base nos dados para o mês de agosto, apresentados ontem pelo BC, o saldo total (comercial e financeiro) fechou o mês positivo em US$ 1,944 bilhão, ou seja, havia dólares sobrando no mercado, mas mesmo assim, a divisa fechou o mês com alta de 4,60% ante o real. No mês anterior, o saldo cambial fora negativo em US$ 2,49 bilhões, enquanto o dólar caiu 2,13%.

A diferença entre um mês e outro era a percepção dos agentes para a taxa e seu correspondente posicionamento no mercado futuro, se comprados (aposta contra o real - mês de agosto) ou vendidos (apostas contra o dólar - mês de julho).

Os juros futuros seguem com comportamento errático, com as taxas oscilando entre a boa notícia trazida pelo recuo das commodities e o tom cauteloso imposto pela nova rodada de valorização do dólar. Conforme o esperado, a inflação continua recuando e os dados de atividade seguem mostrando o vigor da economia.

Na BM & F, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado, apontava alta de 0,02 ponto percentual, para 14,64% ao ano, depois de cair a 14,55% na mínima. O vencimento janeiro 2011 subiu 0,03 pontos, a 14,26%. Janeiro 2012 valorizou 0,04 ponto, para 13,95%.

Entre os contratos curtos, o vencimento para outubro de 2008 avançou 0,04 ponto, para a 13,34%. Novembro de 2008 encerrou a 13,47%, sem alteração. Dezembro de 2008 subiu 0,01 ponto para 13,68%. E o DI para janeiro de 2009 fechou estável a 13,88% ao ano.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 577.965 contratos, equivalentes a R$ 47,69 bilhões (US$ 28,72 bilhões), montante 38% maior do que o observado um dia antes. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 268.455 contratos, equivalentes a R$ 22,40 bilhões (US$ 13,49 bilhões).

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.