Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Nova York cai forte e leva Bovespa; índice perde 2,86%

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não conseguiu escapar da forte piora de sentimento externo e começou a semana em território negativo. Depois de ensaiar alta no começo da manhã, o Ibovespa fechou o dia com perda de 2,86%, aos 51.

Valor Online |

540 pontos. O giro financeiro recuou se comparado à sexta-feira, somando R$ 5,35 bilhões.

Nem as ações da Petrobras, que vinham limitando as perdas do dia, escaparam das vendas. Depois de subir mais de 4%, a ação PN fechou valendo R$ 34,90, baixa de 0,22%. O papel perdeu sustentação mesmo com uma acentuada alta no preço do petróleo.

Com os investidores fugindo do dólar no mundo tudo, as commodities voltaram a ser refúgio para o dinheiro e o movimento mais emblemático foi observado no preço do petróleo, que chegou a disparar US$ 25 no contrato de outubro antes de perder um pouco de força, mas ainda assim registrar o maior ganho diário desde 1984 e voltar o patamar de US$ 120 o barril de WTI.

Essa acentuada alta da energia piorou ainda mais o humor dos investidores no mercado externo, onde o pregão foi marcado pelas dúvidas sobre a operacionalização da nova agência que está autorizada a comprar US$ 700 bilhões em títulos podres que estão com os bancos norte-americanos. Ao final do pregão, o Dow Jones apontava baixa de 3,27%. A bolsa eletrônica Nasdaq caiu 4,17%.

Na avaliação do sócio da Global Financial Advisor, Miguel Daoud, os investidores começam a se dar conta de que o plano anunciado nos Estados Unidos não representa a solução dos problemas que atingem o mercado de crédito.

Segundo Daoud, esse pacote é uma tentativa de conter a expectativa do mercado com relação à degradação do sistema financeiro norte-americano, mas basta fazer algumas contas para descobrir que os US$ 700 bilhões podem estar longe de ser suficientes para sanear a folha dos bancos.

O problema, segundo o especialista, é a alavancagem no sistema financeiro, muito elevada. Segundo dados do Banco Internacional de Compensações (BIS), o mercado de derivativos em dezembro de 2007 - dado mais recente da instituição - somava US$ 596 trilhões.

Dentro das categorias de derivativos, entre moeda, juros e ações, o que mais preocupa são os Credit Default Swaps (CDS) instrumento que está no centro da crise, pois representa um tipo de seguro de crédito. Somente esse mercado somava US$ 57,8 trilhões no final do ano passado, cifra superior ao Produto Interno Bruto (PIB) mundial, estimado em US$ 50 trilhões. Segundo Daoud, projeção atualizada aponta que esse montante dos CDS já passa de US$ 62 trilhões.

"Agora, vamos imaginar que 10% desse mercado corra risco. Isso representa cerca de US$ 6 trilhões", pondera.

Segundo Daoud, o mercado começou a entender que o plano de socorro por si só não é a solução do problema. A questão passa pelo ajuste no preço de todos os ativos e, dependendo da velocidade desse ajuste, o mundo pode passar por uma forte recessão.

De acordo com o especialista, a economia brasileira também sofrerá com esse ajuste global e o principal canal de transmissão da crise para a economia interna é a restrição de crédito tanto para consumo quanto para investimento.

Para Daoud, por ora, o governo brasileiro está subestimando o potencial destrutivo da crise atual, mas já deveria estar bolando um plano para enfrentar a menor oferta de crédito.

Voltando ao dia-a-dia da Bovespa, as perdas da sessão foram lideradas pelos ativos PNA da Vale, que recuaram 3,77%, para R$ 35,45.

Perdas acentuadas também para os bancos e siderúrgicas. A ação ON da CSN cedeu 4,80%, para R$ 49,50 e Gerdau PN caiu 2,92%, para R$ 25,25. O papel PN do Itaú teve baixa de 4,68%, para R$ 30,50 e as units do Unibanco desvalorizaram 3,82%, para R$ 19,37.

As varejistas amargaram as maiores perdas dentro do índice. A ação ON da Lojas Renner fechou valendo de 11,15% menos, negociada a R$ 23,90. Lojas Americanas PN caíram 8,60%, para R$ 8,50.

Com a alta no preço do petróleo, as aéreas perdem atratividade. TAM PN caiu 5,51%, valendo R$ 36,00, e GOL PN recuou 8,31%, para R$ 13,68.

Destoando, Souza Cruz ON avançou 4,87%, para R$ 42,80. Telemar Norte Leste PNA subiu 3,0%, para R$ 54,09, e Celesc PNB ganhou 2,42%, para R$ 44,76.

"(Eduardo Campos | Valor Online)"

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG