F - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Juros futuros registram queda na BM F

SÃO PAULO - Seguindo dois dias de instabilidade com viés de alta, os contratos de juros futuros ensaiam um ajuste de baixa na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F). Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 recuava 0,04 ponto percentual, a 15,24%. Janeiro 2011 cedia 0,03 ponto, a 15,93%.

Valor Online |

E janeiro 2012 apontava 16,13%, desvalorização de 0,02 ponto.

Na ponta curta, dezembro de 2008 marcava 13,47%, decréscimo de 0,06 ponto. E o DI para janeiro de 2009 perdia 0,03 ponto, projetando 13,68%.

Para a economista-chefe da Arkhe Corretora, Inês Filipa, os dados de inflação e as novas medidas sobre liberação de depósitos compulsórios (parcela de recursos que os bancos não podem emprestar) dão o tom positivo do dia, mas a instabilidade externa segura uma reação mais consistente das curvas.

Os contratos chegaram a registrar queda mais pronunciada com a divulgação do Índice Geral de Preços-10 (IGP-10), que ficou no piso das estimativas, mas a contínua valorização do dólar segura esse ajuste.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-10 subiu 0,73% em novembro, abaixo da mediana das expectativas (0,90%) e da leitura anterior, de 0,78%.

Sobre o indicador, a economista detecta um comportamento díspar dentro do grupo de produtos industriais. Parte dos componentes apresentou alta, refletindo o câmbio, enquanto outra parcela recuou, acompanhando o preço das commodities. A dúvida que fica é qual dos dois fatores - dólar ou commodities - vai prevalecer.

Analisando o horizonte de política monetária, Inês aponta que o Banco Central (BC) deve manter a Selic em 13,75% até o final de 2008. A pausa é necessária para que a autoridade monetária possa avaliar os efeitos da crise externa sobe a economia brasileira.

Pela estimativa da economista, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve desacelerar de 5,2%, em 2008 para 2,5% a 3% em 2009. " E isso acaba refletindo na inflação. "
Por outro lado, Inês lembra que a chance maior é de alta na Selic, principalmente se a expectativa de preço continuar subindo de forma agressiva. Vale lembrar que na ata da reunião de outubro, o BC enfatizou que busca levar a inflação de 2009 para 4,5%, no centro da meta.

Na gestão da dívida pública, o Tesouro Nacional realiza, hoje, leilão tradicional de Letras do Tesouro Nacional (LTN) e Letras Financeiras do Tesouro (LFT). As propostas serão tomadas das 12h às 13h, com operação especial das 15h às 16h.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG