Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Juros futuros fecham em alta apesar de queda no dólar

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros não acompanharam a melhora de sentimento observada na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que opera em alta, e a queda no preço do dólar, que perdeu valor ante o real depois de sete pregões consecutivos de alta.

Valor Online |

Ao final do pregão na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado hoje, apontava alta de 0,01 ponto, a 14,75% ao ano, depois de bater 14,83% na máxima. O vencimento janeiro 2011 avançou 0,03 ponto, para 14,48%, e janeiro 2012 ganhou 0,04 ponto, para 14,20%.

Entre os contratos curtos, o vencimento para setembro de 2008 perdeu 0,01 ponto, para 12,84%. Outubro de 2008 fechou estável a 13,12%. Novembro de 2008 subiu 0,01 ponto, para 13,33%, e o DI para janeiro de 2009 avançou 0,02 ponto, para 13,76% ao ano.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 376.715 contratos, equivalentes a R$ 31,01 bilhões (US$ 19,27 bilhões), montante 15% menor que o registrado ontem. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 203.005 contratos, equivalentes a R$ 16,76 bilhões (US$ 10,37 bilhões).

Segundo o gerente de renda fixa do Banco Prosper, Carlos Cintra, a formação das taxas ficou presa entre a queda na cotação do dólar, que teria efeito positivo sobre os vencimentos, e a valorização no preço do petróleo, que atua de forma negativa sobre as curvas.

Cintra também aponta que o mercado segue com pouca liquidez, com a ausência de indicadores de peso na agenda interna limitando a tomada de posições. O mercado segue sem clara tendência definida, oscilando conforme o humor do mercado externo, diz.

Na gestão da política monetária, Cintra aponta que uma nova elevação da Selic em 0,75 ponto percentual em setembro já é dada como certa, e que os agentes também não descartam que uma terceira elevação de mesma magnitude possa ser implementada no encontro de outubro. Tal indefinição estaria pressionando os vencimentos mais curtos.

O Tesouro Nacional realizou hoje a segunda etapa do leilão de Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-Bs), que teve liquidação por meio da transferência de títulos. Também aconteceu hoje leilão de resgate antecipado de NTN-Bs e de Letras do Tesouro Nacional (LTNs). Foram aceitas 500 mil LTNs, metade do total ofertado, com giro financeiro em R$ 491 milhões. O resgate de NTN-B teve baixa aceitação: foram apenas 52.967 notas aceitas de um total de 359 mil ofertadas, movimentando R$ 82,83 milhões.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG